Vaga de inclusão para pessoas Transgênero Vaga de inclusão para pessoas Negras e ou pardas Vaga em regime Home Office Vaga em regime Híbrido
Vaga com alta procura

Consulte todas as vagas dessa empresa!

  • +
Tenho interesse

Estudar um segundo idioma deve estar na sua lista de prioridades. Seja ela qual for, é importante se expressar em outra língua para se destacar no mercado de trabalho, por exemplo. Entre as principais opções, ser bilíngue ainda é um diferencial e muitos cargos exigem uma noção básica.

Ter dificuldades em aprender é o motivo principal a levar pessoas a não concluírem os cursos em geral. Escrever em outro dialeto nunca é simples. Isso envolve tanto a ortografia quanto a gramática para formar sentenças, pois nem sempre temos familiaridade, mesmo com origens parecidas.

Outro obstáculo é a pronúncia. Muitas palavras não se parecem em nada com o nosso português. Dessa forma, pode ser difícil a assimilação. O desafio da pronúncia complicada faz muitos estudantes de níveis básicos se sentirem incapazes e desistirem dos estudos.

Um professor não é apenas um meio de atingir bons resultados e conhecimento mas um mestre a desenvolver as capacidades de seu aprendiz, construindo uma base sólida para caminhar sozinho. O diálogo entre os dois deve ser o mais claro e produtivo possível, considerando a importância de um para o outro.

A professora de inglês, Fernanda Surian, diz ser muito importante um bom vínculo entre professor e aluno, pois haverão diversas correções durante o caminho e elas são necessárias: "como saber onde melhorar se a gente não sabe onde está errando?". É fundamental para o estudante ter consciência plena sobre o processo de aprendizagem do qual faz parte, para perceber se está ou não aprendendo.

Uma maneira eficaz de tornar isso visível é por meio de feedbacks. A professora afirma: "quando a pessoa tem apoio, ele evolui muito mais e fica muito mais apto para estudar". Segundo Fernanda, algumas pessoas gostam de ser corrigidas, porém outros não gostam. Ela recomenda: "cabe ao professor avaliar qual é o perfil de cada um, qual é o momento da aprendizagem dele para então pensar como dar esse feedback".

Se ainda encontra bloqueios para exercitar, separamos aqui algumas dicas para melhorar.

1. Pratique com mais frequência

A maneira de lapidar sua fluência é a prática, tanto em sala de aula, em casa ou com os amigos. Escute o máximo de músicas, filmes, podcasts, séries de TV, etc. Seu cérebro precisa de tempo para se acostumar com esses sons. Assim ficará mais fácil imitá-los depois.

2. Encontre o melhor método de ensino

Outro obstáculo nesse processo têm mais a ver com a nossa cultura, com os métodos de ensino mais populares e com crenças comuns sobre o aprendizado de línguas. Procure um curso cabível no seu bolso, no seu horário e com seu jeito. Descubra quais são os materiais mais apropriados para te ajudar sendo livros, vídeos ou intercâmbios.

3. Não se compare

É quase impossível não se comparar com alguém, não importa se seu desempenho foi positivo ou negativo. Todos têm uma experiência diferente e facilidades distintas. Por isso, em vez de se comprar com seus colegas ou com pessoas de outras turmas, compare-se sempre consigo mesmo. Você foi melhor nessa última prova ou na anterior? Já consegue entender um vocabulário? Compreende a letra da sua música favorita? Esse é o único avanço verdadeiramente importante.

4. Se jogue

Muitas pessoas só conseguem ter contato com a linguagem na hora da aula ou naqueles vinte minutos do dever de casa. Dessa forma, sem qualquer imersão, esse processo se torna mais lento e bem menos prazeroso. Quem se propõe a desenvolver o inglês deve mergulhar de cabeça.

Se identificou com o assunto? Assista nosso Minuto Carreira e se inspire!

Compartilhe