Após a acelerada transformação digital provocada pela pandemia, existe a enorme demanda de desenvolver novas habilidades para a adaptação a um cenário de inovação contínua. Agora, gestores e recrutadores buscam outras competências para formar seus times. Afinal, será necessário enfrentar dificuldades, ter boas ideias e tomadas de decisões. Sendo assim, quem busca uma oportunidade de estágio ou aprendizagem deve estar atento ao assunto.

O fator humano

A capacidade de diálogo e engajamento de outras pessoas, raciocínio analítico e a virtude de usar dados em aplicações práticas no dia a dia em prol de um benefício maior, são alguns dos desejos dos líderes. De acordo com relatório do Fórum Econômico Mundial, metade das características profissionais fundamentais devem mudar substancialmente ao longo dos próximos cinco anos.

O documento destaca duas: flexibilidade e criatividade. É fundamental realmente buscar novas alternativas e se adequar aos desafios. Essas novas particularidades, subestimadas ao longo do tempo, passarão a ocupar um papel-chave como complemento de processos decisórios mais baseados em “hard skills”. “Há outras aptidões igualmente necessárias para lidar com um mundo em constante transformação. Por exemplo, a resiliência”, explica o especialista em negócios, Fernando Moulin.

Essa demanda vai ao encontro do atual cenário. Hoje, as mudanças ocorrem em um “piscar de olhos”. A complexidade, visão holística e integração sistêmica são a nova realidade. A atualidade exige respostas cada vez mais rápidas, em modelos de governança, culturas e processos ainda dos tempos de outrora. É preciso fazer testes e aprender com eles velozmente, em tempo real. “Não há mais a oportunidade de espera. A ação deve ser imediata. Tudo isso baseado em fatos e dados, mas os planejamentos precisam ser flexíveis e adaptáveis. Dessa forma, é essencial uma boa comunicação e um propósito comum”, complementa Moulin.

Se antes o conteúdo adquirido nas salas das universidades era suficiente para formar bons colaboradores a partir de dados estáticos e pouco mutáveis, agora a situação mudou. O lifelong learning, ou seja, o aprendizado por toda a vida, é a dinâmica da vez. Deve-se estar a todo instante atualizado com as tendências pelo mundo. “Essa capacidade humaniza as tarefas. Com diversas ferramentas tecnológicas disponíveis focadas em aumentar a produtividade e automatizando atividades burocráticas, é necessário prestar atenção nesse sentido”, ressalta o especialista.

Os desejos dos executivos

Com as empresas voltando ao ritmo normal, muitas oportunidades voltaram a surgir, sendo uma grande chance para quem pretende se inserir no mercado de trabalho. Para isso, requer concentração do candidato. Atualmente, muitos são contratados pelo perfil técnico e demitidos pelo comportamental.

Esse fator está ligado ao Quociente Emocional - QE: a capacidade emocional de lidar com os desafios profissionais e interpessoais. O ambiente corporativo está evoluindo constantemente e exigindo cada vez mais integrantes qualificados e detentores de soft skills. Segundo estudo realizado pelo Linkedin, mais de 90% dos executivos consideram esses aspectos tão relevantes como a base técnica.

Para a superintendente do Cebrac, Luciana Fontes, existem muitos motivos para admitir alguém com comportamento ético e moral. “Ter um bom relacionamento com a equipe e com os chefes é essencial para manter a qualidade no trabalho e na vida pessoal, levando em consideração o bem da saúde mental. Pessoas com controle das emoções, estão preparadas para lidar com adversidades”, explica.

Conforme levantamento da Capgemini Digital Transformations Institute, 60% das organizações apresentam dificuldades em encontrar esses indivíduos. Pensando nisso, Luciana cita cinco passos para desenvolver o seu QE e se destacar:

1 - Saiba controlar as suas emoções;
2 - Aprenda a lidar com os relacionamentos;
3 - Priorize a sua saúde mental;
4 - Tenha consciência social;
5 - Seja organizado com as tarefas e se interesse em buscar mais conhecimento.

Por que analisar os perfis?

Para o aumento na produtividade e eficiência, as corporações aplicam diferentes estratégias e ferramentas capazes de maximizar os resultados a partir dos recursos disponíveis atualmente. Uma delas é a análise de perfis comportamentais. Isso ajuda a estruturar grupos mais coesos, capazes de trazer um retorno mais interessante.
Com essa avaliação, existem diversos benefícios. Nesse sentido, o sócio da S2 Consultoria, Renato Santos, destaca alguns deles:

Redução do turnover: é possível realizar contratações de acordo com a cultura organizacional e traços de personalidade compatíveis com a função. Esse alinhamento favorece a permanência do membro, por desenvolver uma identificação e sensação de pertencimento.

Favorecimento do clima organizacional: esse ambiente positivo promove um comprometimento maior de todos. O primeiro passo é determinar a postura pretendida. A partir disso, é possível fazer a seleção com base nessas informações.

Diminuição de gastos: afinal, não terá custos com novos processos seletivos, treinamentos, entre outros.

Aumento da produtividade: assim, cada um atuará na área de maior familiaridade.

Melhora da motivação: há uma satisfação maior na realização das tarefas. Esse quadro impacta na retenção de pessoal, no desenvolvimento da carreira e até no employer branding.

Gestão de pessoas: a partir da identificação de perfis, o RH consegue determinar os pontos de melhora e dar feedbacks assertivos.

Treinamentos mais precisos: para resolver justamente as lacunas abertas.

Os perfis comportamentais

Existem quatro principais perfis para entender melhor uma instituição e suas nuances. Sendo assim, conheça quais são eles:

Analista: são atentos aos detalhes, ligados à segurança e ao perfeccionismo. Também sofrem mais com o excesso de pressão. Capazes de desenvolver um serviço com precisão cirúrgica. No entanto, perdem muito tempo com pequenos detalhes e podem ficar um pouco perdidos se não houver uma liderança ou direção bem estruturadas. Também encontram dificuldades para lidar com prazos apertados.

Comunicador: possui influência, empatia e criatividade. São excelentes para promover a integração na equipe e contribuem muito para a construção de um clima favorável. Como pontos negativos, sentem dificuldades para cumprir normas e podem até mesmo ignorar determinações superiores. A organização é uma dificuldade.

Executor: têm um forte compromisso com os resultados, possuem caráter objetivo e direto, concentram esforços na conclusão das tarefas e não desperdiçam tempo. Sua determinação e ambição ajudam a alcançar ou até mesmo a ultrapassar as metas. No entanto, excesso dessas pessoas pode trazer problemas, pois a extrema autoconfiança atrapalhará.

Planejador: costumam ser calmos, confiáveis e de fácil convivência. São excelentes mediadores, afinal, eles tendem a encontrar o equilíbrio e estabilizar conflitos. Têm um certo receio na tomada de decisões e iniciativa, precisando muitas vezes da interferência dos colegas. Também costumam ser pessimistas e reagir negativamente quando algo sai do seu controle.

Portanto, tenha consciência do seu potencial e conheça a sua personalidade. Afinal, há espaço para todo mundo nas entidades. Caso esteja em busca de uma oportunidade de estágio ou aprendizagem, acesse o nosso painel de vagas. Boa sorte!

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Instagram e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe