Uma coisa é certa: aprender nunca é demais e conhecimento ninguém pode te tomar. Segundo o Fórum Econômico Mundial, em seu relatório intitulado “O Futuro do Trabalho”, dentre as competências mais requisitadas para os próximos anos, está ‘Aprendizado ativo e estratégias de aprendizado’. Ou seja, estudantes, estagiários, aprendizes e efetivos precisam se manter ativos nos estudos para crescerem profissionalmente. 

Aprender nunca é demais! 

Consoante a Vivian Cristina Rio Stella, linguista com doutorado pela Unicamp, fazer uma retrospectiva dos conteúdos aprendidos pode trazer novos insights e reforçar expectativas. “O importante é listar, escrever, para materializar pensamentos, ideias. Pode ser cinco minutos por semana”, sugere. Ela ainda recomenda: é preciso fazer isso com constância, incluindo na agenda um tempo para se tornar parte da vida e do trabalho.

Para quem não está habituado em manter a aprendizagem na rotina, Vivian enfatiza três perguntas: o que eu quero aprender, por que e como? A partir desses questionamentos, é indicado começar a explorar as intenções, para evitar cair em modismos e fazer escolhas com motivações reais. 

Quanto ao ‘como’, é preciso enxergar as possibilidades existentes, seguir perfis do mesmo nicho, conversar com quem sabe fazer, ver vídeos, ouvir podcasts, e também separar um tempo para aprender na prática. “Digo isso para a pessoa não sair se inscrevendo em cursos, mesmo abertos e gratuitos, porque muita gente se frustrou ao se matricular em vários e não terminar nenhum”, finaliza Vivian. 

Quer incluir o aprendizado na rotina? Veja dicas rápidas!

Infográfico de dicas para incluir o aprendizado na rotina

1) Programe na agenda um momento para aprender: 

Mesmo sendo um período pequeno no início, você pode ir aumentando o tempo para pesquisar temas distintos. “Como academia, não dá pra fazer tudo de uma só vez e nunca mais ir, é preciso construir um hábito”, ressalta a linguista. 

2) Faça projeções: 

Sempre se pergunte: acontecerá algo se eu não aprender isso pelos próximos três meses, um ano, cinco anos? Isso aguça o senso de necessidade. “Pesquisas apontam que 50% da força de trabalho precisa passar por reskilling nos próximos anos”, conclui Vivian. 

3) Explore canais distintos: 

Aposte em músicas, textos e podcasts, pois são canais dinâmicos e o conteúdo ainda pode ser salvo em seu celular ou computador, para ouvir ou ler quando quiser. Todos esses exemplos são ferramentas excelentes, ajudam a adquirir vocabulário e aprimorar competências. 

4) Procure um parceiro de estudos:

Você provavelmente tem algum amigo, colega ou parente também interessado em incluir as pesquisas no cotidiano. Proponha encontros presenciais ou virtuais, no qual vocês só debatam sobre o tema escolhido. Dessa forma, é possível criar um grupo de estudos, inclusive, no WhatsApp, para facilitar a comunicação e tornar as reuniões mais assertivas. 

5) Revise o conteúdo aprendido:

Existem muitas formas de fixar uma informação. Certas pessoas compreendem apenas por ouvir uma explicação, outras precisam de escrever e até criar imagens. Nesse sentido, antes de dormir ou quando acordar, principalmente, revise o assunto aprendido. Pode ser algo rápido, o fundamental é refrescar na memória.

6) Distribua prioridades: 

Uma questão recorrente e problemática para a gestão de tempo é a urgência na qual certas atividades aparecem. Geralmente, acontece uma má distribuição de prioridades e costumamos apontá-la como falta de tempo. Entretanto, caso você defina bem suas metas e objetivos, fica mais fácil adaptar hábitos e, de fato, focar na aprendizagem. 

7) Defina pequenas metas:

Bem como a metodologia de OKR’s (Objective Keys Results) prega, definir metas pequenas e mais palpáveis propicia maior entendimento do cérebro, para não sobrecarregar, desencadeando ansiedade ou desespero diante de um escopo grande. Por isso, decida onde quer chegar, pois o processo fica mais fácil quando você sabe esse destino e entende como fracioná-lo. 

Quais as tendências da educação corporativa?

Enfim, é preciso se manter atualizado a fim de não se tornar obsoleto diante do mercado. Atualmente, vivemos um conflito geracional dentro das empresas e isso muda muito os assuntos em discussão. São indivíduos com bagagens diferentes, dividindo tarefas, decisões e responsabilidades no mesmo ambiente. Isso ainda tem uma relação direta com a busca por mais transparência e diversidade, bem como, com a construção de uma reputação empresarial positiva. 

De acordo com Mariana Achutti, fundadora e CEO da SPUTNiK, o relatório "Macroterritórios educacionais”, lançado pela companhia, poderá guiar executivos pelas principais temáticas deste ano. “Muitas organizações avant-garde já estão se entendendo como plataformas impulsionadoras de conhecimento para a sociedade como um todo. Antes os alicerces da aprendizagem corporativa estavam calcados em garantir baixa rotatividade e alta produtividade entre funcionários, mas agora vai além. A educação corporativa do futuro olha para todos os stakeholders e transforma o mundo”, afirma. 

Ademais, o levantamento também oferece dois pontos essenciais. Confira:

Infográfico em formato de tiras, entenda as tendências corporativas

1) Lideranças respondem por 70% da variação de engajamento de uma equipe:

Conforme o estudo People Management: Pros, Cons and Development Opportunities, da Gallup, as lideranças respondem por 70% da variação de engajamento de uma equipe. Na percepção, gestores têm falhado em aspectos relevantes como comunicação, motivação e entusiasmo com o futuro. 

2) 44% dos brasileiros sentem mais exaustão no trabalho desde o início da pandemia: 

Segundo recorte nacional da pesquisa The future of work — the good, the challenging & the unknown, encomendada pela Microsoft, 44% dos brasileiros sentem mais exaustão em relação ao próprio trabalho desde o início da pandemia. Por outro lado, entre as prioridades dos administradores de RH, 28% estão focados em como cuidar do employee experience, de acordo com Pesquisa da Robert Half. 

3) 64% das empresas acreditam na força da capacitação remota como algo imprescindível:

 O dado é da Mercer Brasil e mostra como os processos de aprendizagem se adaptaram ao “novo normal”. Houve um aumento de 20% nesse investimento, de acordo com a Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento. Assim, sairão na frente aquelas entidades dispostas a estimular o desenvolvimento de seus assistentes, com consciência dessa realidade cada vez mais digital. 

Por fim, para se manter sempre atualizado e em constante aprendizado, o Nube é seu aliado! Diariamente, compartilhamos dicas e sugestões, com opiniões de diversos experts, com ângulos e nichos de atuação distintos. Por isso, continue acompanhando nosso blog e conheça as redes sociais. Não se esqueça: conte sempre conosco! 

 

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Instagram e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe