A pandemia acelerou ainda mais a transformação digital e os modelos de atuação remotos e híbridos. Assim, com o distanciamento, ter uma comunicação interna estruturada e eficiente se tornou um investimento ainda mais estratégico e essencial para as empresas. Então, continue lendo e entenda melhor sobre o assunto.

Os efeitos de um bom relacionamento

Para o CEO da Colaborativa, Ricardo Kudla, um relacionamento assertivo não se trata apenas de melhorar fluxos operacionais, mas também de propiciar um ambiente mais saudável e cooperativo. “Assim, ele fica propenso à criatividade, ao trabalho em equipe, à inovação e, consequentemente, a melhores performances e resultados. As companhias precisam buscar meios de manter esse diálogo em dia dentro dos novos cenários trazidos pela tecnologia”, explica.

Segundo o estudo recente da Advisory Board, por exemplo, o aumento de 1% no engajamento dos funcionários, impactava positivamente em 0,33% na avaliação geral do hospital. “No setor da saúde, trabalhamos com marcas como a Unimed, as quais buscam alinhar os propósitos da instituição com os dos colaboradores. Somos um canal interativo entre contratado e funcionários, por meio de um mural participativo, com conteúdos segmentados por público, quizzes, pesquisas de opinião e depoimentos”, descreve o CGO da Dialog.ci, Gabriel Kessler.

Para ele, utilizar e-mail é correr o risco de a mensagem não ser aberta ou se perder em meio a outros. “Se lançar mão de quadros informativos, há a chance desse meio ser considerado como ‘paisagem’ por vários indivíduos. Dessa forma, apostar em uma tática multicanal é uma alternativa, mas não é a melhor se também considerarmos o gasto com tempo para atualizar diversas frentes e o investimento financeiro para mantê-las”, analisa.

Nesse sentido, Kudla elencou algumas dicas para ajudar gestores a gerarem conexão com seu time. Veja:

Conheça seus auxiliares - quem são, seus gostos, qual o grau de instrução, entre outras curiosidades são fundamentais para adequar as ferramentas internas e a linguagem usada, gerando identificação pelo seu público.

Clareza de intenção - ao conversar seja claro a respeito de seus objetivos. Deixar isso evidente contribui para o contratado não apenas receber, mas entender a mensagem. Assim, ele compreende o propósito, se sente motivado e parte de algo maior.

Interação genuína - ter uma boa interlocução, abrir espaço para dialogar com o conjunto, ouvir sugestões e críticas é imprescindível para adaptar os meios de transmitir recados e criar ações de engajamento.

Atualização e centralização de notícias - nesse contexto, quanto mais tecnológico nos tornamos, menor é a durabilidade de um recado. Por isso, mantenha sua base de dados atualizada.

Interface amigável - em qualquer plataforma escolhida, a facilidade de acesso deve ser uma premissa. Quanto mais intuitivo e automático, melhor será o resultado.

De acordo com o CEO, é comum empresas usarem diferentes sistemas e terem seus pareceres fragmentados em intranet, ERP, CRM, entre outras. “Quando integramos e fazemos um gerenciamento estratégico dos conhecimentos, eles passam a ter relevância, se torna mais afirmativo e propiciam a construção da cultura institucional”, finaliza.

Pensando nisso, o Dialog.ci, por exemplo, é fácil de ser instalado e pode ser usado em qualquer turno e ambiente. “Isso é um bônus para o profissional de comunicação, pois é uma forma de reunir o essencial em um só canal, otimizar o tempo para dedicar esforços em outros projetos, além de analisar periodicamente o desempenho das ações institucionais", conclui Kessler.

Acompanhe nosso blog e as redes sociais, pois publicamos conteúdos diariamente e temos opiniões de diferentes especialistas. Dessa forma, você se destaca no universo empresarial. Conte com o Nube!

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe