Há várias décadas as nações discutem questões científicas, éticas, morais e religiosas com relação ao tema "aborto". Legalizado em diversos países e proibido na grande maioria, a polêmica persiste na sociedade. Pensando na frequência com a qual o assunto é abordado, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios realizou uma pesquisa e perguntou, a 10.186 jovens, de todo o país: você já abortou ou conhece alguém que já tenha feito isso? O resultado apresenta dados para o entendimento dessa importante questão de saúde pública.
 
O estudo realizado entre 26 de setembro e 7 de outubro, trouxe a alternativa “não, isso é um crime”, com 56,32% (5.737) dos votos, em primeiro lugar. Na sequência, a opção “não, mas apoio quem aborta” surgiu na segunda colocação, com 16,02% (1.632) da preferência. De acordo com Eva Buscoff, gerente de treinamento do Nube, é possível considerar crime ou apresentar-se favorável à legalização. O ponto chave é a lucidez na construção do argumento. “Em uma redação dissertativa ou mesmo em entrevista com gestores, por exemplo, você deve focar no problema central (nesse caso, o aborto), expor sua opinião com absoluto respeito (se você é contra ou a favor e o porquê disso), baseando-se em pesquisas e dados concretos, além de fugir do senso comum, se possível for. No final, o estudante deve oferecer pelo menos uma solução para o problema abordado. Assim, transmitirá segurança em seu texto ou em sua entrevista”.
 
Já 13,03% (1.327) admitem não ter opinião formada sobre o tema. Porém, Eva alerta para a necessidade de se ter, na ponta da língua, uma visão bem construída sobre assuntos densos. “Por ser uma pauta bastante divergente, e sempre em evidência, trata-se de algo comum em testes para o ingresso em faculdades ou empresas. Nesse sentido, o vestibulando e aquele interessado em construir uma carreira devem estar sempre se atualizando sobre leis, a respeito de como o aborto é visto em nosso país e quais são as medidas tomadas em diferentes contextos”.
 
Por fim, as alternativas “sim, está muito comum hoje”, com 10,97% (1.117) e “sim, mas me arrependi (ou a pessoa arrependeu-se)”, reunindo 3,66% (373) dos participantes, fecharam as estatísticas. Assim sendo, 14,63% dos respondentes conhecem alguma mulher ligada a determinado episódio de aborto. “Hoje, em um mundo tão globalizado e informatizado, aqueles mitos de antigamente são deixados para trás. A população fala mais sobre temas antes censurados e, com isso, algo tão complexo como os casos de aborto chega ao conhecimento das pessoas”. Portanto, a especialista conclui: “quanto mais o brasileiro debater equilibradamente os aspectos com os quais concorda ou discorda, mais haverá clareza e consciência no raciocínio dos indivíduos e, sem dúvidas, a sociedade ganhará mais sabedoria”.
 
Indicação de fonte: Eva Buscoff, gerente de treinamento do Nube.
 
Sobre o Nube
 
Desde 1998 no mercado, o Nube oferece vagas de estágio e aprendizagem em todo o país. Possui mais de 7.200 empresas clientes, 14 mil instituições de ensino conveniadas no Brasil e já colocou mais de 650 mil pessoas no mercado de trabalho. Também administra toda a parte legal e realiza o acompanhamento do estagiário e aprendiz por meio de relatórios de atividades.

Anualmente, são realizadas 10 milhões de ligações, enviados 3 milhões de SMS e encaminhados 700 mil candidatos. O banco de dados conta com 4,2 milhões de jovens cadastrados e todos podem concorrer às milhares de oportunidades oferecidas mensalmente. Para facilitar a vida dos cadastrados, foi desenvolvido um aplicativo no Facebook para publicação das vagas.

O Nube também está presente nas principais redes sociais Twitter, Google+, Linkedin e Youtube. Com a TV Nube, oferece conteúdos voltados à empregabilidade, dicas de processos seletivos, currículos, formação profissional, entre outros. O cadastro é gratuito e pode ser feito no site www.nube.com.br.

Compartilhe