Ter um segundo idioma representa vantagens para o currículo, como frequentemente relatam especialistas. Agora, e para quem vai mais longe? Há vantagens em ser poliglota? O Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios fez a pergunta “além do Inglês, qual outro idioma você estudaria?” e 15.640 estudantes responderam, entre os dias 11 e 22 de abril, em todo o território nacional. Os resultados ainda mostram uma predileção por línguas consideradas mais próximas de nossa cultura.

A terceira língua mais falada no planeta, com 392 milhões de adeptos espalhados pela América do Sul, América Central e em seu país de origem, o Espanhol, foi a mais desejada por 52,70% (8.243). Em segundo lugar, com 22,90% (3.581) votantes, ficou o Francês, presente em países como Haiti, Ruanda, Bélgica, Guiana Francesa, Camarões, Canadá e, claro, na França, somando 129 milhões habitantes. “No entorno do Brasil há uma ampla utilização da língua hispânica, logo, é natural identificarmos tal preferência. Além disso, percebe-se uma proximidade clara entre alguns termos, ao compararmos com as expressões ditas por aqui. Logo, o jovem une o útil ao agradável, partindo de uma opção considerada mais fácil de aprender e apta a ser praticada nas regiões vizinhas”, explica Eva Buscoff, coordenadora de treinamento do Nube.
 
Entretanto, nem só a questão geográfica é determinante. Para Eva, o brasileiro também relaciona turismo às motivações de aprendizagem. “Paris, cercada de atrativos como a Torre Eiffel e o Museu do Louvre, representa um dos destinos mais visitados do mundo. Como consequência, nasce um desejo peculiar por investigar o ‘glamour linguístico’ desfilado nas ruas francesas”. Já o Alemão, falado por 90 milhões, foi o terceiro colocado, escolhido por 13,37% (2.091), seguido pela opção “Outros”, com 5,81% (909 participantes). Por fim, veio o Chinês (Mandarim), língua nacional mais falada na Terra, na quinta posição da pesquisa, com 5,22% (816). “Alemanha e China têm, em comum, um grande número de indústrias e empresas multinacionais com oportunidades abertas no Brasil. Quem conhecer esses idiomas, terá um diferencial na busca por um crescimento na carreira”, analisa a especialista do Nube.
 
A realização de grandes eventos em nosso país, como as Olimpíadas, a Copa da Mundo, além de diferentes festivais de moda ou congressos científicos, traz quase como obrigatória a presença de um segundo e até mesmo um terceiro idioma no currículo. “Isso sem contar com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo. Na hora da aprovação de um candidato em processos seletivos ou mesmo no momento da efetivação e promoção do jovem, ter experiências internacionais e uma diversidade linguística - além de um bom Português, claro, pode ajudar a definir quem será escolhido para uma vaga”, conclui Eva.
 
Serviço: Pesquisa do Nube - Núcleo Brasileiro de Estágios, com 15.640 estudantes, aponta idiomas preferidos pelos jovens brasileiros.

Sugestão de fonte: Eva Buscoff, coordenadora de treinamentos do Nube.


Sobre o Nube

Desde 1998 no mercado, o Nube oferece vagas de estágio e aprendizagem em todo o país. Possui mais de 7.200 empresas clientes, 14 mil instituições de ensino conveniadas no Brasil e já colocou mais de 650 mil pessoas no mercado de trabalho. Também administra toda a parte legal e realiza o acompanhamento do estagiário e aprendiz por meio de relatórios de atividades.

Anualmente, são realizadas 10 milhões de ligações, enviados 3 milhões de SMS e encaminhados 700 mil candidatos. O banco de dados conta com 4,2 milhões de jovens cadastrados e todos podem concorrer às milhares de oportunidades oferecidas mensalmente.

Para facilitar a vida dos cadastrados, foi desenvolvido um aplicativo no Facebook para publicação das vagas. O Nube também está presente nas principais redes sociais Twitter, Google+, Linkedin e Youtube. Com a TV Nube, oferece conteúdos voltados à empregabilidade, dicas de processos seletivos, currículos, formação profissional, entre outros. O cadastro é gratuito e pode ser feito no site www.nube.com.br.

Compartilhe

Leia também