Num mundo radicalmente transformado pelas interações digitais, rapidez na troca de informações e uso intenso de tecnologias, acabamos gerando certa impessoalidade nas relações interpessoais e deixamos de prestar atenção a alguns aspectos importantes da comunicação. Especialmente em relação aos estilos comunicacionais.

Mas afinal, você conhece os estilos comunicacionais e seus impactos nas relações sociais? Sabe identificá-los e lidar com cada um deles? Reconhece seu próprio estilo e suas consequências nos seus relacionamentos? Então, vamos descobrir!

Importante saber que todos nós possuímos uma característica inata, um estilo dominante do comportamento em relação a comunicação. Esses estilos são descritos como: agressivo, passivo, manipulativo (também conhecido por passivo-agressivo) e assertivo. Vamos ver a interação dos quatro estilos nesta cena do filme A luta pela esperança.

Cada um deles se caracteriza, essencialmente, pelo nível de respeito pelo outro e pelo nível de transparência na linguagem.

O ESTILO AGRESSIVO

Se caracteriza pela utilização de comportamentos ameaçadores com o interlocutor, visando fazer valer os seus direitos e interesses e desconsiderando o que é importante para os outros. São pessoas críticas e controladoras, que podem utilizar da humilhação e violência verbal para diminuir o outro e se favorecer.
Pessoas agressivas, via de regra, se auto avaliam como assertivas. Apesar de terem alto nível de transparência na linguagem, escorregam no baixo nível de respeito pelos outros. E então, se tornam "sincericidas".

Geralmente, são pessoas que falam alto, tem o tom de voz firme ou áspero, interrompem os outros com frequência, argumentam muito bem e possuem gestos firmes. Possuem o rosto tenso, sobrancelhas carregadas, um olhar intenso, fulminante e muitas vezes, intimidador. São percebidos pelos outros como autoritários.

É uma forma pouco eficaz de comunicação. E como consequência, podem sofrer a rejeição por parte das pessoas, solidão, impacto na reputação e dificuldade nos relacionamentos, especialmente, os pessoais.

O ESTILO PASSIVO

Se caracteriza por uma atitude de submissão. Manifestam insegurança, sensação de impotência, evitam tomar partido de uma situação e fogem das interações que podem lhe causar tensão. É um comportamento de autodesvalorização que gera dificuldades para a pessoa expressar suas opiniões e defender seus próprios interesses.

Emocionalmente, manifestam nervosismo, sensação de frustração e ansiedade crescente. Geralmente a voz é sumida, apagada, dificuldade de manter o discurso, gestos agitados, postura contraída, rosto tenso e evita o contato visual. Pode ser percebido pelos outros como fracos.

É também uma forma pouco eficaz de comunicação, pois acabam renunciando de seus interesses em prol dos outros. Como consequência, manifestam baixa autoestima, perdem o apreço dos outros, são pouco respeitados e podem manifestar distúrbios relacionados a ansiedade e depressão.

O ESTILO MANIPULATIVO

A principal característica desse estilo é a dissimulação como meio para concretizar seus objetivos. Usa uma linguagem pouco direta, utilizando a insinuação, a chantagem emocional e excesso de gentileza como forma de manipular e alcançar o que deseja. Percebido pelos outros como falso.

É pouco eficaz na comunicação interpessoal pela falta de envolvimento franco nas relações interpessoais. Possui um tom de voz baixo, pouca clareza no discurso e incongruência entre o verbal e não-verbal. Sua postura é contraída e agitada e evita o contato visual.

Como consequência, perde credibilidade e tem dificuldades de estabelecer relações com base em confiança recíproca.

O ESTILO ASSERTIVO

Este estilo se caracteriza pela capacidade de expressar seus sentimentos de forma natural e genuína, de afirmar suas opiniões e vontades ao mesmo tempo que respeita os sentimentos, opiniões e vontades dos outros. Não é um comportamento natural, mas passível de se aprender, independentemente de seu estilo natural.

Este comportamento permite a pessoa ser capaz de expressar o que pensa, o que deseja e fazer valer os seus direitos, escolhendo comportamentos, atitudes e linguagem adequadas para cada situação, de acordo com o local, o interlocutor e o momento.

Estar bem consigo mesmo e cultivar emoções positivas em relação a si mesmo e aos outros ajudam a fortalecer a autoconfiança e inteligência emocional que viabilizam a assertividade.

A voz de pessoas assertivas é geralmente clara, firme e agradável. Possuem um equilíbrio entre escutar, argumentar e indagar. São pessoas que possuem uma postura natural, descontraída e relaxada, além de manterem o contato visual equilibrado e respeitoso.

Como consequência, sabem lidar bem com qualquer estilo. Desarmam os agressivos quando tentam o atacar, estimulam os passivos a se posicionarem e dão um choque de realidade nos manipulativos. Todos se sentem respeitados. São percebidos pelos outros como pessoas “boas”, mas não “tontas”.

COMO DESENVOLVER A ASSERTIVIDADE?

Se a assertividade é um comportamento, então qualquer pessoa pode aprender e fortalecer essa conduta. Para isso, você precisa:

Cultivar a Inteligência Emocional: costumo dizer que o maior desafio, especialmente diante de um conflito, é primeiramente, dar conta das próprias emoções. Quando estamos diante de uma pessoa agressiva, dependendo do nosso estilo, podemos reagir com raiva, irritação, medo ou apatia. Uma pessoa emocionalmente inteligente tem melhor capacidade de identificar o surgimento da emoção e manifestar autocontrole, não se deixando sequestrar pela emoção que poderá fazê-la reagir de forma desproporcional ou inadequada. Manter uma respiração profunda, lenta e com ênfase na expiração vai gerar serenidade para lidar com a situação e escolher a melhor atitude para enfrentar a situação;

Demonstrar Empatia pelo Outro: há algumas maneiras de manifestar empatia. Pela postura (quando nos aproximamos do outro, com gestos de abertura e apoio), verbalmente (quando expressamos frases como “eu te entendo”, “eu te compreendo”) ou parafraseando frases do interlocutor. A empatia, geralmente, diminui a agitação e o ritmo, permitindo que o interlocutor se acalme.

Escutar com Atenção: Além de evitar uma discussão, a escuta demonstra respeito e consideração. Também te permitirá elaborar o melhor discurso para lidar com a situação. Aprenda a tirar proveito do silêncio.

Utilizar de Indagações: Juntamente com a escuta, as perguntas te ajudam a conhecer as necessidades e desejos do outro, ampliando sua visão sobre determinada situação. Explore as perguntas abertas para investigar uma situação e as perguntas fechadas para confirmar informações.

Se apoiar em fatos e evidências: Pessoas assertivas apoiam sua percepção em fatos, acontecimentos reais e em dados. Evitam inferências, julgamentos e opiniões que podem prejudicar o bom entendimento e prejudicam a conversa. Além de saber identificar e pedir por fatos, organizam seus discursos de forma a torná-los mais fortes e consistentes.
No contexto da liderança, os gestores interagem com pessoas que se comunicam por meio dos diferentes estilos. Saber identificá-los, neutralizar suas disfuncionalidades e desenvolver o comportamento assertivo nos membros de sua equipe é uma tarefa relevante para as lideranças.

E naturalmente, fortalecer este comportamento em si mesmo para que exerça suas funções de delegar, oferecer feedback, gerenciar conflitos e promover diálogos de aprendizagem que apoiarão a liderança na consolidação de uma cultura de confiança e bem-estar coletivo.

Um grande abraço, saúde e tudo de bom!

 

Compartilhe