A geração Z engloba todas as pessoas nascidas de 1995 em diante. Tal grupo populacional nasceu imerso ao mundo digital e esse fator é crucial para o desenvolvimento deles na sociedade.

Por se sentirem confortáveis com recursos tecnológicos, a geração Z vivencia o mundo com fluidez e facilidade e é capaz de integrar dispositivos e informações em quase todas as situações cotidianas.

Mercado de trabalho

Parte dessa inclusão é atribuída a processos de desenvolvimento profissional como mostra pesquisa realizada pela empresa de recrutamento e seleção Heach Recursos Humanos.

De acordo com os dados obtidos a geração Z têm pressa na carreira e busca por profissões e cargos que causam impacto social em diferentes âmbitos.

Cerca de 47% dos entrevistados têm interesse em desenvolver habilidades de liderança a fim de assumir papéis estratégicos nos próximos 5 anos.

Um total de 76% considera extremamente importante o desenvolvimento de habilidades sociais para que seja possível aprimorar a rede de relacionamentos e o domínio de ferramentas de trânsito social.

Tais habilidades sociais são caracterizadas por um conjunto de comportamentos que possibilitam a expressão de sentimentos e tomada de atitudes no campo social, familiar e profissional. Entre as principais habilidades estão inteligência emocional, empatia e comunicação.

O desenvolvimento do senso crítico analítico também é fundamental para 55% dos entrevistados para promover uma visão sistêmica e efetiva de atuação, bem como 61% apontaram sobre a importância do desenvolvimento de foco na solução de problemas.

A pesquisa foi realizada com aproximadamente 2100 candidatos com idades entre 18 e 26 anos.

Apesar dos dados é necessário levar em consideração que o profissional dessa geração também se importa com a remuneração das atividades exercidas devendo ser considerada justa e compatível com o mercado de trabalho.

Recrutamento e seleção

Diante dos dados obtidos com a pesquisa é possível constatar que os integrantes da geração Z buscam por uma vida profissional com base nos interesses pessoais e coletivos de modo que possam ser aplicados de forma autônoma, interativa e fluida.

Nesse caso é fundamental considerar os seguintes pontos para planejar a gestão profissional da geração Z:

Promover a construção e o desenvolvimento de habilidades técnicas relacionadas ao uso de recursos tecnológicos e inovadores;
Possibilitar o desenvolvimento de capacidades sociocomportamentais com foco em liderança, comunicação, visão sistêmica, solução de problemas e análise crítica;
Oferecer acesso a ferramentas de domínio em línguas estrangeiras para contribuir com o processo de comunicação globalizada;
Promover processos metodológicos para o desenvolvimento e aprimoramento de pensamento ágil, criatividade e flexibilidade cognitiva.

Tendo esses pontos definidos a melhor maneira de oferecê-los a geração Z é orientando sobre um objetivo ou meta a ser atingida de modo que o grupo possa alcançar o resultado de forma autônoma.

Além disso, a geração Z precisa saber que possui controle sobre a própria jornada de trabalho, sendo necessário focar apenas na entrega de resultados e no prazo acordado para a realização das atividades.

Vale ressaltar que os processos podem e devem ser monitorados de modo que os jovens saibam que podem errar e que isso faz parte, mas que independente disso eles podem contar com o apoio de gerações com experiências e conhecimentos distintos.

Tal ideia é reforçada pela autoestima elevada da geração Z que sente necessidade de receber feedbacks sobre o desempenho de habilidades e competências.

Principais características

O mercado de trabalho também deve levar em consideração as principais características da personalidade de integrantes da geração Z. Algumas delas são:

Imediatismo;
Tendência ao empreendedorismo;
Independência;
Desapego e individualismo.
Nomadismo digital;
Interatividade
Comunicação virtual;
Absorção de múltiplas informações;
Multitarefas;
Criatividade;
Entre outros.

Muitas dessas e outras habilidades são empregadas em carreiras como Engenharia ambiental, Ciências naturais, Biotecnologia, Design de jogos, Desenvolvimento de software, Gestão de mídias sociais e marketing digital, entre outras.

Pandemia

Apesar das expectativas com o mercado de trabalho, a pandemia do novo coronavírus afetou principalmente os integrantes da geração Z.

De acordo com o estudo da Kantar, cerca de 62% dos entrevistados tiveram quedas no orçamento desde a chegada do vírus no Brasil.

Outro dado obtido pelo Núcleo Brasileiro de Estágios aponta que o número de recém-formados que atualmente trabalham na área de graduação é 15% menor em relação ao ano de 2019.

Tal cenário retrata o impacto do vírus para essa geração. Mas as consequências não param por aí, pois a pesquisa da Kantar também mostra que 49% dos jovens tiveram impactos negativos na saúde mental durante a pandemia.

O estudo da Kantar foi realizado com aproximadamente 11 jovens de 18 a 24 anos residentes em 21 países, incluindo o Brasil.

Compartilhe