O Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube) divulgou os resultados de uma pesquisa para entender quais os principais critérios escolhidos pelos jovens em início de carreira na hora de se candidatar a um estágio. O levantamento foi feito com 47.350 brasileiros de 15 a 29 anos, no período de 22 de fevereiro e 5 de março de 2021.

Para 54,7% dos entrevistados, as oportunidades de promoção e crescimento são ponto crucial no momento de enviar currículos. De acordo com Everson Santos, analista de treinamentos do Nube, a procura por crescimento e destaque na carreira são a principal motivação para profissionais aprimorarem suas habilidades. “Dispor de um ambiente estruturalmente apto para acolher o indivíduo é um diferencial para a empresa fornecer”, destaca, conforme informações da assessoria de comunicação do Nube.

Ainda segundo o analista, a motivação e engajamento aumentam à medida que a empresa fornece oportunidades extras. A pesquisa também revela que satisfação pessoal com as atividades desenvolvidas (19,5% dos entrevistados) e equilíbrio entre labor e vida fora do escritório (13,7%) são elementos de ponderação entre os jovens. Santos analisa que a importância da satisfação pessoal, equilibrada com o bem-estar, são fundamentais para um bom desempenho no ambiente de trabalho. “Realizar uma auto análise a fim de alinhar seus valores aos propósitos da corporação pode nortear melhores ações de transformação individual e do contexto corporativo”, ele comenta.

“É importante garantir espaços em sua rotina para o autocuidado e à qualidade de vida, discernindo com mais clareza as metas e objetivos a serem alcançados dentro da organização. Por sua vez, a companhia pode adotar medidas visando aumentar o engajamento de seus colaboradores a respeito da manutenção do bem estar e boas práticas”, complementa Santos.

Já uma parcela menor (7%) expressou preferência em fazer algo significativo para a sociedade. “Fazer parte de uma entidade com responsabilidades além do negócio, como questões sociais ou ambientais, relacionadas à diversidade e respeito à liberdade de expressão, gera identificação por parte dos seus funcionários. Isso melhora a satisfação de suas equipes e a qualidade dos resultados apresentados, possibilitando o exercício da cidadania para as equipes”, destaca .

A pesquisa do Nube ainda aponta que 4,9% dos participantes, menor grupo de respostas, prezam pela permanência no trabalho, sem riscos de desligamento. Santos destaca que, em relação a essa escolha, “é importante compreender o mercado de acordo com sua função, a instabilidade da empresa em tempos de crise e o seu desenvolvimento pessoal frente às entregas realizadas”. O analista conclui que, independente da prioridade no momento de escolha, o jovem brasileiro deve estar atento às novas tendências de mercado para melhor se adaptar. “O cenário é incerto, por isso se manter informado, solicitar feedbacks à gestão e realizar boas entregas pode auxiliar a sustentar sua colocação”, finaliza.

Compartilhe