Qual é o seu maior medo? Essa questão pode ter inúmeras respostas, afinal, cada ser humano possui uma fobia diferente.

Para saber os pavores mais comuns entre o público jovem, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios fez essa pergunta para 28.607 participantes de 15 a 29 anos em uma pesquisa. No ar entre 22 de junho e 3 de julho de 2020, o estudo revelou maior preocupação com patologias em relação à própria morte.

A alternativa mais escolhida, com 26,76% ou 7.655 votos, foi “doenças”. Para a analista de treinamento do Nube, Skarlett Oliveira, esse resultado pode ter sido influenciado pelo contexto da pandemia.

“Cada vez mais, estamos acompanhando o aumento dos casos confirmados em nosso país e isso pode transparecer às pessoas como o vírus está próximo”, conta.

Em seguida, 18,77% (5.370) entrevistados afirmaram ter receio de perder a vida.

“Dentro do cenário atual, esse é um fator profundo. É muito importante nos mantermos atualizados nesse momento, porém, por conta de muita informação, a insegurança vai crescendo. A dica nesse sentido é: não colocar assuntos sobre a doença como foco dos seus dias, procure pesquisar somente os dados fundamentais e busque fontes seguras para isso”, orienta a especialista.

Ainda de acordo com Skarlett, caso a mente não esteja dando conta da carga de notícias negativas e fica focada somente em um determinado assunto, o ideal é buscar a ajuda de um especialista, para tratar e conversar sobre.

Já 16,20% (4.634) afirmaram ter pavor de enfrentar problemas financeiros. Diante da circunstância vivida nos últimos meses, essa preocupação pode estar relacionada ao âmbito empresarial.

“A incerteza por conta de estarmos vivendo uma crise sanitária, leva ao receio de perder a colocação e, consequentemente, ter dívidas. A situação pede cautela, é imprescindível economizar e realmente reservar o máximo possível. Dessa forma, estaremos preparados diante de uma adversidade”, garante a analista.

Para 15,55% (4.449), a altura é o principal vilão. O nome científico para esse problema é acrofobia.

“Em muitos casos, essa aversão a locais distantes do chão pode ser irracional. O primeiro passo é entender o porquê essa sensação existe. Afinal, a depender da intensidade, pode atrapalhar a vida, como no trabalho, caso atue em um andar alto de um prédio ou em uma simples visita a um amigo. O indicado é consultar alguém especializado para entender melhor em terapia”, explica Skarlett.

Outros 14,22% (4.069) não querem enfrentar a solidão. Esse desafio pode ter se intensificado nos últimos meses, com as medidas de quarentena. Para quem se sentiu afetado por isso, a especialista defende:

“O Isolamento social se fez extremamente importante e praticamente obrigatório para a nossa segurança e das outras pessoas. É legal tentar focar nos benefícios da tecnologia e aproveitá-los ao máximo  agora. Faça chamadas de vídeo regularmente com familiares e talvez até aquele Happy Hour virtual com os colegas para se sentir mais aliviado até a situação ficar melhor”.

Por fim, 8,49% ou 2.430 têm medo de falar em público. Para Skarlett, esse pode ser um empecilho para a trajetória profissional e até mesmo pessoal.

“Essa é uma das competências mais aprimoradas pelos indivíduos, provavelmente porque é muito importante no ambiente corporativo. Muitas atividades não possuem a necessidade de discursar para grandes audiências, mas, uma vez ou outra, é preciso encarar uma reunião, por exemplo”.

Pensando em ajudar quem precisa dar um up nessa habilidade, a especialista oferece algumas dicas:

  • Treine diante do espelho – assim você conseguirá conhecer seus principais gestos.
  • Grave a sua voz – é vital entender como as pessoas te escutam e registrar suas falas é a melhor forma para entender isso.
  • Monte um roteiro – antes de qualquer apresentação, é importante definir por ordem os pontos a serem abordados. Você pode usar alguns recursos de apoio, como slides, por exemplo.
  • Pratique sua respiração – técnicas para inalar e exalar podem ajudar muito no relaxamento. Busque meditar um pouco, isso trará tranquilidade

Para finalizar, a analista fala sobre a relevância de procurar o autoconhecimento para entender os principais medos.

“Por meio desse recurso, conseguimos enxergar o sentido de toda insegurança. É crucial, também, sempre conversar com amigos ou pessoas próximas e buscar ajuda de especialistas para auxiliar nessa compreensão”, conclui.

Autora: Skarlett Oliveira, analista de treinamento do Nube

Sobre o Nube

Desde 1998 no mercado, o Nube oferece vagas de estágio e aprendizagem em todo o país. Possui mais de 12 mil empresas clientes, 18 mil instituições de ensino conveniadas no Brasil e já colocou mais de 950 mil pessoas no mercado de trabalho. O Nube também está presente nas principais redes sociais:  FacebookInstagramTwitterLinkedinVimeo YouTube. A TV Nube oferece conteúdos voltados à empregabilidade, dicas de processos seletivos, currículos, formação profissional, entre outros. O cadastro é gratuito e pode ser feito no site www.nube.com.br.

Matéria: Gabriela Vasconcelos, Giovanna Cavalli, Lays Emily e Vinícius Lima

Compartilhe