Além das atividades exercidas, em época de crise, o fato de estar empregado também é estimulante para a juventude

Motivação, a palavra nunca foi tão utilizada como nos últimos anos. As empresas entenderam o quanto o capital humano pode produzir mais quando engajado e, a partir de então, passaram a dar mais valor ao assunto. No entanto, os ingressantes no mercado possuem perfis bem diferentes dos Baby Boomers e Geração X. Logo, encontram outras válvulas para extraírem o melhor de si e do lugar onde atuam. Pensando nisso, o Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios realizou uma pesquisa com o seguinte questionamento: “Como você se motiva no trabalho?”. O levantamento apontou necessidade de ter paixão pelas funções diárias.

O estudo ocorreu com 37.247 jovens, entre 15 e 26 anos. A abordagem foi em nível nacional e ocorreu de 10 a 21 de setembro. Do total, 46,37%, ou 17.270 entrevistados disseram: “busco inspiração nas atividades e nos resultados obtidos”. Para a gerente de treinamento do Nube, Eva Buscoff, hoje, não basta atuar na área de interesse e fazer tarefas compatíveis com a especialidade técnica. “É preciso praticar valores, sentir inspiração e satisfação no agir profissionalmente”, explica. Nesse novo contexto, a qualidade das relações e a comunicação tornaram-se primordiais para contribuição da sensação de pertencimento ao negócio.

Com 23.70%, 8.827 pesquisados afirmaram: “busco acordar de bom humor e levo isso durante o dia”. Segundo a especialista, ao adotar essa atitude, é possível reduzir resistências, estabelecer trocas benéficas e construir ambientes com clima leve e receptivo. “Porém, vale uma dica importante. Contar uma piada fora de hora, ou mesmo ser irônico e desrespeitoso com o outro não são posturas condizentes com o incentivo a alegria. Brincar, ser leve e humorado requer um contexto”, ressalta.

Outros 22.23% (8279) revelaram: “penso no lado positivo de estar colocado no mercado”. Em um cenário de crise, certamente, estar inserido no mundo corporativo é muito valoroso. “Quanto mais alta a expectativa, mais demorada e complexa será sua realização. Portanto, nesse momento, a empregabilidade torna-se um fator motivacional frente a atual realidade”, garante Eva. Afinal, muitos profissionais competentes estão com dificuldades de inserção e recolocação. Logo quem conquista uma oportunidade, consegue estabilidade financeira, desenvolvimento, e possibilidades de crescimento, fatores empolgantes.

“Sempre me espelho em quem tem boa energia” foi a resposta de 7.08% (2.636). Nesse caso, eleger figuras de sucesso em sua organização, para procurar estímulo, é estratégia para autodesenvolvimento. “Diferentes experiências e competências podem fornecer material de aprendizado e reflexão”, comenta a gerente. Contudo, quem não encontra essa personalidade em sua companhia, não deve se preocupar. “Vale observar outros representantes da carreira, indivíduos relevantes para o segmento no qual atua. “Muitos compartilham sua vivência e estilo de negócio em palestras e entrevistas. Basta pesquisar para se inspirar!”, indica.

Por fim, 0.63% (235) desabafaram: “nunca consigo ter motivação”. Quem também se enquadra nessa opção, algumas dicas podem auxiliar.

1º) Autoconhecimento – saber quais ações trazem alegria é o primeiro e principal passo.

2º) Relacionamento Interpessoal – dedicar tempo para conhecer a si e a quem está ao redor pode ser uma ação gratificante. O bom relacionamento com o outro auxilia em sua jornada.

3º) Saber ouvir – o engajamento é uma força interna e interage com o mundo externo. Receber um bom conselho, ouvir um elogio e sentir-se acolhido pode ser o diferencial.

Para os gestores, construir uma relação de confiança, dar feedback constante e ter uma comunicação positiva são os principais pontos nessa árdua tarefa de encorajamento e ânimo no time. “O grupo precisa sentir-se confortável para falar com o seu líder, expressar suas dúvidas e necessidades. Contar com seu apoio e direcionamento!”, finaliza Eva.

Fonte: Eva Buscoff, gerente de treinamento do Nube
Serviço: Pesquisa indica quais fatores motivam os jovens no trabalho

Compartilhe