Ouve-se muito dizer sobre a importância de se realizar um estágio de qualidade e como é essencial para a educação. Contudo, por que essa seria uma tarefa tão crucial na vida de um jovem prestes a ingressar no mercado de trabalho? Quais os diferenciais de quem passou por isso? É algo realmente imprescindível? Fomos em busca de fontes e materiais do assunto para responder essas perguntas.

 

Quando se trata de uma experiência com características assertivas, é preciso entender quais pontos diferem para tornar algo realmente produtivo e vantajoso. A cartilha de estágios do Nube define essa jornada como: “ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, visando à preparação para o trabalho produtivo de estudantes”, mas qual o significado disso? No geral, é o momento para o aluno construir suas competências e habilidades antes de adentrar efetivamente na profissão.

 

Guilherme Azevedo, discente do quinto período de jornalismo na UFSJ (Universidade Federal de São João Del Rei), confirmou seu crescimento e aprendizado: “logo de cara enxerguei a chance como uma porta de entrada para essa esfera tão saturada do jornalismo esportivo”, manifestou. Quando começou o curso, em 2020, já sonhava em entrar nesse setor. Hoje, aos 20 anos de idade, é repórter da Revista Placar, acompanhando partidas e cobrindo jogos tanto de maneira presencial como remota.

 

De acordo com o jornalista, a relação próxima com os superiores e o amparo recebido foi um divisor de águas, o deu mais força de vontade e entusiasmo. A chance de fazer carreira no grupo era um ponto significativo para sua motivação. Segundo ele, eram muitas aspirações dentro da própria corporação, consistindo em saltos de possibilidades, como coberturas mais interessantes. Foram inúmeros motivos para aplicar grande dedicação nas suas incumbências. “Apesar de ainda estar em formação, posso afirmar como essa vivência me ajuda. As responsabilidades em uma organização tão renomada me fizeram aprender a lidar com situações cada vez mais tensas”, avalia Azevedo sobre seu desenvolvimento.

 

A advogada Lara Garcia de Lima Castro também deu seu depoimento sobre o assunto, afirmando como fez dela uma profissional melhor. Em sua graduação, participou no Fórum de Lagoa da Prata e frisa como um ponto positivo importante o contato com especialistas da área e a maior facilidade de adentrar no ramo a partir dessas relações. “Considero essencial, porque os ensinamentos da faculdade são a esfera teórica do aprendizado e lá temos a oportunidade de colocar em prática e absorver como é no dia a dia”,  disse ela sobre a relevância de se passar por esse cenário.

 

Além de todas essas questões mostradas, o quão significativo é ter esse preparo em um currículo? Simples: domínio e compreensão do assunto. Apesar de ter a contratação com questões legais diferentes do CLT, um estagiário realiza a aplicação das suas tarefas, obtendo o conhecimento necessário e se desenvolvendo para uma experiência distinta com as atribuições e com seu local de atuação.

 

Uma preocupação de muitos em relação ao assunto diz respeito à carga horária e possíveis interferências acadêmicas. Nesse sentido, frisamos como a jornada deve estar em sintonia com os estudos e não pode afetar negativamente esse âmbito. No caso da educação especial e dos anos finais do ensino fundamental, na modalidade profissional do EJA (educação de jovens e adultos), o período pode ser de 4 horas diárias e 20 semanais. Já quando se trata de educandos do ensino superior, médio e do ensino médio regular, o máximo é de 30 horas por semana e 6 por dia. Em situações de cursos alternando teoria e prática, quando não programadas as aulas presenciais, pode-se estender a 40 horas.  Ou seja, nesse último caso em específico, é para faculdades com o semestre todo sem aulas, apenas voltado para a realização do estágio. 

 

Pensando em garantir um bom desempenho acadêmico, nas épocas de avaliações periódicas ou finais, o tempo diário pode ser reduzido ao menos à metade, segundo a lei. De todo modo, essa negociação de horários deve ser conversada e estar em concordância entre os envolvidos: instituição de ensino,  parte concedente e o aluno ou seu representante legal. Vale lembrar a necessidade de passar essas datas no início de cada período letivo. Contudo, a corporação pode descontar essas horas não trabalhadas.

 

Quanto ao tempo de duração,  o contrato não pode extrapolar dois anos na mesma empresa. Após esse prazo, fica a critério do estabelecimento optar pela efetivação ou encerramento das obrigações.

 

Relativo a assuntos jurídicos, algumas dúvidas são mais frequentes, como por exemplo os direitos de quem está nessa função. “Em situações de estágio não obrigatório, o contribuinte tem direito a bolsa, auxílio transporte, recesso remunerado, seguro de vida e também a redução do período em dias de provas. No caso do obrigatório, a única mudança é o fato do pagamento da bolsa auxílio ser opcional”, esclareceu Letícia Moraes, da administração de contratos do Nube. Ela também informou, como um requisito legal, sobre a necessidade de ter no mínimo 16 anos e estar estudando. Entretanto, cursos profissionalizantes como de idiomas/informática, não são válidos. 

 

A colaboradora  ainda expressou sua opinião sobre começar a trabalhar sem essa experiência. “Não acredito em uma defasagem no conhecimento, mas pode ser um diferencial em uma contratação CLT. Por exemplo, pensando em uma situação com dois candidatos em um processo seletivo, um já atuou no setor e o outro não. A entidade pode optar pelo primeiro por já ter alguma familiaridade com as atividades”, disse.

 

No geral, as vantagens e benefícios de contar com essa noção de mundo são irrefutáveis, gerando bons frutos para ambas as partes relacionadas. O Nube age lado a lado com os estudantes nessa etapa, em busca de oportunidades como essas para uma profissionalização de excelência em circulação no mercado. Fique ligado no nosso blog e redes sociais, postamos conteúdos diários no Linkedin, Instagram, Facebook e Twitter, visando ajudar nessa missão, além de cursos e dicas. Baixe também nosso aplicativo Nube Vagas, disponível para Android e IOS, lembre-se de deixar as notificações ligadas para não perder nada. Conte com a gente!

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Instagram , Tiktok e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe