Uma pesquisa inédita realizada pelo Movimento #MenteEmFoco, em parceria com o Instituto Brasileiro de Pesquisas e Análise de Dados (IBPAD) trouxe resultados alarmantes. Mais da metade da população brasileira notou uma piora em sua saúde mental desde o início da pandemia. Além disso, 62% dos entrevistados afirmaram não terem recebido nenhum suporte por parte da corporação onde trabalham. Contudo, qual o real impacto disso? Como podemos cuidar melhor de nós mesmos?

Saúde mental na pandemia

Com foco em investigar esses sentimentos e suas causas, a pesquisa perguntou aos interrogados quais das reações surgiram ou aumentaram desde o início da pandemia. Sentir-se nervoso, tenso ou preocupado lidera o ranking com 70% das menções, seguido por ansiedade acentuada frequente (55%) e estresse acumulado (51%). Além disso, o sentimento de cansaço e tristeza com frequência empatam em 49% das citações. Em 47%, houve perda de interesse por atividades e, em 46%, dificuldade para realizar com satisfação as tarefas diárias. 

Esse é o caso do discente de psicologia pela Universidade Federal de São João del-Rei, Gabriel Sá Motta. “Particularmente, tenho me sentido muito desmotivado, cansado e sem muita perspectiva de seguir com o mesmo ímpeto”. Contudo, ele notou uma incidência generalizada dessas emoções. “De um modo geral, as pessoas tiveram um aumento nas queixas a respeito de quadros psicopatológicos. Inclusive, foi uma pauta bem comentada dentro do curso, em diversas matérias.” 

Ainda quanto ao estudo realizado, foi solicitado aos participantes para classificarem quais dessas manifestações surgiram ou cresceram durante a quarentena. De 12 reclamações listadas acerca da saúde mental, apenas 16,7% não tiveram nenhuma incidência, enquanto 5,8% apresentaram todas. Em um extrato sociodemográfico, foi possível observar: jovens de até 34 anos possuem uma média de 6,6 sintomas. Em comparação com os acima dessa idade, há uma queda, chegando a 4,3 manifestações expostas. 

Todavia, as estatísticas não param por aí. Quase 30% das pessoas afirmaram terem dificuldade para desempenhar alguma função no trabalho ou atividade profissional, por não se sentirem bem mentalmente. Isso influencia diretamente na produtividade e na retenção de lucros da corporação, por isso, é tão relevante um apoio por parte dela. No entanto, mesmo com essas dificuldades, 57% disseram não terem procurado ajuda e 91% não estão fazendo nenhum acompanhamento atualmente. 

O diretor executivo da IBPAD, Max Stabile, afirma já esperar por esse cenário, entretanto, os números alarmam bastante. “Os dados são preocupantes. Além de estarmos vivendo a maior crise sanitária da nossa época, com fortes consequências econômicas, passamos por um colapso na saúde mental da população. Precisamos ter empatia e cuidado com quem convive e trabalha com a gente”, destaca. 

A responsabilidade também é da empresa

Em meio a essa realidade, a #MenteEmFoco veio para convidar organizações brasileiras a reconhecer a importância desse cuidado no ambiente de trabalho. Assim como, agir em benefício de seus colaboradores e da sociedade como um todo, em busca de combater o estigma ao redor desta temática. 

Consoante à Carlo Linkevieius Pereira, diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global, “o Movimento Mente em Foco encoraja e ajuda as empresas a estabelecerem ações concretas e duradouras de suporte psicológico aos seus colaboradores”. Tendo isso em vista, é imprescindível destacar as políticas internas nessa questão. “Criar um ambiente de ofício saudável, do ponto de vista emocional, precisa ser prioridade e fazer parte da estratégia de negócio dentro das instituições”, reforça Pereira. 

O futuro psicólogo destaca sobre a importância de investir esforços para cuidar da própria psique. “Para o corpo funcionar de maneira plena, bem como, todos os contextos da nossa vida, é essencial voltar a atenção para a mente.” Por isso, elencamos algumas dicas para a sua companhia ajudar nesse processo

  1. Crie um protocolo

A American Psychology Association afirma: a falta de equilíbrio emocional pode prejudicar no sucesso corporativo, nos relacionamentos e até mesmo na sua saúde física. É essencial o empreendimento entender essa profundidade, quando há um protocolo para essas circunstâncias, o funcionário se sente acolhido e o RH consegue orientá-lo da melhor maneira possível. 

  1. Promova ações sobre o tema

É preciso conversar abertamente sobre o assunto, afinal, ele é inerente ao convívio humano. Dessa forma, é possível instalar e promover uma cultura de cuidado, mantendo o tema em evidência e incentivando cada vez mais pessoas a buscarem ajuda. Palestras, eventos virtuais, entre outras iniciativas podem incidir sobre os transtornos, desde sua identificação até seu tratamento. 

  1. Incentive a atividade física

O bem-estar físico também reflete no emocional e vice-versa. Por isso, incentive a prática de exercícios entre seus cooperadores. Essa execução influencia diretamente na questão abordada, pois reduz os níveis estressores. Assim como, libera endorfina, reconhecida como o hormônio da alegria e da satisfação.


Por fim, o Nube posta conteúdos diários para incentivar o cuidado com a sua saúde mental. Bem como, compartilha dicas e sugestões, de modo a promover um dia a dia corporativo mais satisfatório e de sucesso. Dessa forma, acompanhe nosso blog para ficar por dentro de diversas oportunidades e conte conosco em toda a sua trajetória! 

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe