A pandemia e a consequente crise econômica no país impactaram na rotina das pessoas e nos investimentos das corporações. Para minimizar os prejuízos, as companhias precisaram se reinventar, digitalizar processos e reduzir custos. Por conta disso, 17% das pequenas e médias empresas planejam diminuir a contratação de novos funcionários nos próximos meses.

 

As pequenas e médias empresas

 

De acordo com estudo da Intrum, as PMEs são responsáveis por 70% da força de trabalho do Brasil, por isso a preocupação para a diminuição de 20% nas admissões. “É normal isso acontecer em épocas de crise. No entanto, impacta diretamente na renda dos brasileiros e nos índices de desemprego, gerando incerteza econômica. O baixo recrutamento preocupa no longo prazo”, comenta o CEO da Intrum, Ulisses Rodrigues.

Enquanto isso, a taxa de desemprego chegou a 13,2%. Isso afetou 13,7 milhões de cidadãos. O índice é o menor desde o primeiro trimestre de 2020, início da pandemia. Mesmo com a recuperação, a informalidade aumentou e a renda das pessoas teve uma queda significativa. Foi uma redução de 4,3% em três meses e de 10,2% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Dessa forma, o rendimento médio real do trabalhador chegou a R$ 2.489,00 no segundo trimestre, as maiores quedas percentuais desde a série histórica iniciada em 2012. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua  - Pnad, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE.

Nesse contexto, o estágio surge como uma excelente alternativa. Com tantas pessoas perdendo os cargos, resultou em uma grande evasão escolar e uma dificuldade econômica para muitas famílias. Ao contratar um colaborador nesse modelo, é mais alguém com poder aquisitivo para pagar os estudos e, consequentemente, melhorar o nível educacional do país.

As companhias têm alguns benefícios ao aderirem a esse formato. Uma delas é a isenção de encargos trabalhistas como FGTS, INSS, 13º salário e 1/3 sobre férias. Além disso, tem um integrante ligado nas tendências do mercado e com vontade de ajudar, podendo ser lapidado como um futuro funcionário.

“A diminuição da renda da população vai mexer com a economia como um todo. Com a alta da inflação e aumento dos juros, o consumo cairá e os empreendimentos terão impacto no faturamento antes mesmo de se recuperarem da crise causada pela pandemia”, explica Rodrigues. Sendo assim, é importante tomar medidas para não chegar a esse ponto.

Ainda segundo a pesquisa, 76% dos dirigentes acreditam ser iminente uma recessão econômica. Desses, 88% creem em algum efeito negativo no negócio. Além da menor taxa de recrutamento, as principais medidas para se protegerem serão: cortar custos (32%), ter cautela na hora de contrair dívidas (25%) e garantir o pagamento mais rápido dos seus clientes (19%).

 

Black Friday é esperança

 

Conforme levantamento realizado pela Boa Vista, existe otimismo entre esses empresários com as vendas durante a Black Friday em 2021. Mais da metade (54%) dos respondentes confiam em um crescimento no período, enquanto apenas 39% declararam o mesmo em 2020.

Embora estejam mais confiantes, eles têm enfrentado desafios como estoques baixos e falta de capital de giro. Por isso, 62% atuarão com estoques ainda disponíveis, sem reposição e outros 76% não poderão contar com um time maior para o período e permanecerão com o quadro atual. Conceder desconto será a estratégia de 25%, enquanto 20% pretendem criar promoções e movimentar as redes sociais.

“Esse aumento do uso do e-commerce foi impulsionado pela Covid-19, quando foi preciso investir na digitalização dos serviços para se adaptar às restrições sanitárias”, explica o economista da Boa Vista, Flávio Calife. Dessa forma, é uma maneira de compensar a falta de funcionários com a ajuda da tecnologia.

Em contraste com a aposta nos meios digitais, mais da metade (60%) dessas companhias não possuem site próprio e utilizam outros artifícios para gerar vendas. Calife ainda comenta outro obstáculo: grande parte das instituições precisarão de um apoio financeiro em algum momento. Ou seja, não estavam preparadas para um imprevisto desse tamanho.

 

Portanto, se prepare para os próximos meses e aproveite as oportunidades para reerguer seu negócio. Caso deseje contar com um estágio ou aprendiz nesse processo, fale com o Nube!

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Instagram e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe