Desde o início da pandemia, surgiram muitos desafios e situações inusitadas. Para isso, as empresas precisaram se reinventar para enfrentar o momento. O isolamento social impactou os processos e exigiu uma nova abordagem das corporações para lidar com as incertezas desse cenário. A estrutura organizacional passou por mudanças para manter o fluxo de trabalho e entrega de serviços e produtos aos clientes, com o intuito de sobreviver no mercado. Veja como isso funciona.

A inovação no Brasil

Apesar de ter avançado bastante nos últimos anos, ainda existe um longo caminho para a inovação acontecer de forma firme nas grandes instituições. Hoje, o Brasil ocupa a 57ª colocação no Índice Global de Inovação - IGI entre 132 países, subindo cinco posições em relação a 2020. Porém, ainda está abaixo do melhor desempenho, alcançado em 2011, quando ficou na 47ª posição.

“Quando falamos de inovar, a grande chave é olhar o futuro e produzir movimentos nessa direção. Nunca é para o hoje. São ações um pouco mais longas, mas nos permitem mudar e melhorar, trilhando no rumo de nossas metas”, explica a diretora de inovação da Stefanini, Mary Ballesta.

São vários fatores para isso acontecer. O principal é o perfil de colaboradores e, sendo assim, é preciso diversificar. A diferença de experiências e tipos de pensamento não somente fomenta a criatividade, como cria um ambiente propício para se encontrar soluções. Nesse contexto, um tipo de profissional vem cada vez mais chamando a atenção do mercado: os Serial Innovators (inovadores em série). Eles são capazes de trazer os diferenciais necessários, criando e comercializando produtos e recursos.

“Ter esse tipo de especialista na equipe pode oferecer benefícios a curto e longo prazo. Causam disrupção no mercado, aumentam a performance financeira e o engajamento dos colegas a se dedicarem ao tema. Tudo isso começa com uma ideia diferente, provavelmente uma iniciativa maluca ou fora da caixa”, destaca a analista de conhecimento da Troposlab, Renata Horta.

No ambiente empresarial, isso se conecta com a necessidade de ter um novo propósito dentro das organizações. O ponto de virada nesse processo, é dar uma certa autonomia às pessoas, para poderem desenvolver práticas interessantes. Nesse caso, estamos falando de uma mudança na forma tradicional de atuação.

O mercado está sendo afetado pela pandemia. No entanto, essas novidades serão cruciais para a recuperação. Após esses meses sem contato pessoal, diversas tecnologias já foram aplicadas no nosso cotidiano e, a maioria delas, veio para ficar. Por isso, novos hábitos e ferramentas farão parte dos nossos próximos dias. Dessa forma, as companhias precisam estar preparadas para não ficarem para trás.

“Virtualizamos toda a nossa forma de viver, consumir, trabalhar e nos relacionar. O baque foi profundo e a única forma para reagir como instituição, colaborador e ser humano foi alterando totalmente nossa vida. Criamos um contexto para nos adaptar de uma forma muito rápida, pois poucos estavam preparados para isso”, ressalta Mary.

Nesse sentido, Renata traz algumas ações fundamentais para essa transformação:

 

 

1. Difundir Conceitos e Habilidades:

Os empreendimentos estão repletos de pessoas acostumadas a trabalhar evitando qualquer tipo de risco. Hoje, o mundo exige delas conhecimentos e habilidades absolutamente novas e nada intuitivas se compararmos a maneira como aprenderam.

2. Começar de forma localizada:

Como a intensidade das transformações tem sido grande e generalizada, desenvolvê-las em todas as áreas é um grande desafio. Sendo assim, é bastante produtivo começar de forma localizada.

3. Investir no Intraempreendedorismo:

Existem poucos caminhos tão efetivos para criar essa cultura e gerar resultados simultaneamente. Isso é importante porque os times se tornam referência de modernização internamente e a resolução vira história de sucesso.

4. Definir o esperado pela liderança e prepará-la para isso:

As lideranças podem se tornar a principal barreira à inovação. Guardiões dos resultados, deixam o trajeto mais complicado se não estiverem preparados.

Portanto, faça esses movimentos no seu negócio para seguir no rumo da modernidade e estar sempre na frente dos demais. Perder tempo pode te tornar ultrapassado e, depois, a missão fica mais difícil. Se busca talentos para te ajudar nessa jornada, entre em contato com o Nube!

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe