A pandemia prejudicou a todos de alguma maneira. Muitas pessoas perderam o emprego ou precisaram fechar as portas de seus negócios. Dessa forma, o impacto foi grande para quem não estava preparado. Portanto, a educação financeira é um assunto com a necessidade de ser mais debatido no Brasil. Sendo assim, aprenda algumas dicas sobre como se estruturar para não sofrer tanto em situações de crise.

Atualmente, existem inúmeras ferramentas e conteúdos direcionados à organização e planejamento financeiro. Esse assunto é muito benéfico, porém, pode trazer a falsa impressão de complexidade. Dessa forma, para a maioria das pessoas, planejar suas contas atuais e futuras é um grande desafio.

A educação financeira

Para essa saúde bancária, alguns pontos são necessários: saber quanto ganha e gasta, ter o dinheiro antes de usá-lo, fazer reservas e aplicações. “Podemos separar nossas despesas de forma simples em: fixas, investimentos e variáveis. As primeiras são mais fáceis de controlar. Já a última é a principal do orçamento”, explica o diretor de operações da Plano, José Leonardo Campos.

Especialista em finanças, ele dá algumas dicas para um domínio maior da situação, como criar seu objetivo de consumo mensal com base no seu orçamento e separar esses gastos em contas diferentes. Outro conselho é poupar uma quantidade equivalente a seis meses do total de suas contas. Dessa forma, caso aconteça algo como ficar sem emprego, por exemplo, você tem uma segurança pelos próximos meses.

Finanças e saúde mental

Segundo dados da BlackRock e do Serviço de Proteção ao Crédito - SPC, para 58% dos brasileiros, o dinheiro (ou a falta dele) é a principal causa de estresse e, 80% das pessoas inadimplentes sofreram impacto emocional negativo por conta das dívidas. Na pesquisa, os entrevistados citaram sentimentos como ansiedade, irritação, tristeza, desânimo, angústia e vergonha.

Para a economista Gabriela Chaves, saber como economizar e gerir o próprio patrimônio são aprendizados primordiais para os brasileiros. Esse processo proporciona segurança, bem-estar e é também uma fonte de saúde mental, "porque não importa o contexto, as pessoas terão recursos para utilizar em momentos inesperados ou em situações para melhorar sua qualidade de vida", explica.

De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor - Peic, realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo - CNC, o percentual de famílias endividadas em março de 2021 atingiu 67,3%, o segundo maior patamar dos últimos 11 anos. Conforme um levantamento do Banco Central, quem faz empréstimos em épocas de maior oferta de crédito, como agora, tende a reduzir o seu poder de compra nos próximos anos. Ou seja, é grande a chance de crises econômicas mais fortes em breve.

“É importante buscar apoio psicológico, fazer um diagnóstico das dívidas, priorizar os valores necessários para a sobrevivência, como alimentação, saúde e moradia, entre outros. Após isso, cada pessoa pode pensar na quitação dos demais débitos, estabelecendo prazos. Devem também avaliar a portabilidade para instituições com menor taxa de juros, reduzir custos e ver a possibilidade de uma renda extra, por exemplo”, complementa Gabriela.

Dívidas não podem ser critério de contratação

Não é comum as empresas consultarem a situação financeira de um candidato antes da contratação. Porém, elas têm o direito de averiguar seu Cadastro de Pessoa Física - CPF nos órgãos de proteção ao crédito. Contudo, eliminar um profissional de um processo seletivo por conta de negativação é considerada, pelo Ministério Público do Trabalho - MPT, uma prática discriminatória.

Até 2010, a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) autorizava as instituições financeiras a dispensar candidatos inadimplentes e até mesmo demitir por justa causa funcionários “no vermelho”. No entanto, isso foi revogado e, desde então, essa conduta passou a ser proibida. Assim, evita-se uma bola de neve, pois os cidadãos precisam de um trabalho para conseguir reverter sua situação.

Portanto, busque conhecimento sobre o assunto e evite passar por esse sofrimento. Com organização, tudo é possível. Se você busca uma oportunidade de estágio, acesse o site do Nube e se candidate.

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Instagram e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe