Toda empresa necessita de uma boa gestão administrativa, organizacional e financeira para se manter "de pé" diante das adversidades. Quando se trata de dinheiro, as estratégias precisam estar alinhadas para não fechar as portas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 48% das companhias brasileiras fecham em até três anos e o principal motivo é a falta de direção eficiente.

O cenário da economia brasileira

Mesmo diante da pandemia, segundo um levantamento do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae com base em dados da Receita Federal, houve um aumento de abertura de empreendimentos no primeiro semestre de 2021, apresentando 2,1 milhões de pequenos negócios nesse espaço de tempo. Foi um recorde comparado com os mesmos períodos de 2015 para cá.
Nesse sentido, o CEO do Cebrac, Rogério Silva, lista algumas crises enfrentadas pelo Brasil desde a década de 90.


1994 - Crise dos Mercados Emergentes - se iniciou no México, mas afetou muitos países com problemas estruturais, como juros elevados e câmbio sobrevalorizado. A economia sofria com o aumento da dívida externa e a dívida pública.

1998 e 1999 - o fluxo de recursos internacionais para os emergentes se esvaiu. Sem opção, a única saída foi desvalorizar o real.

2008 - Crise Mundial do Subprime - considerada pelos economistas como a pior desde o crash da Bolsa de Valores de Nova York. O resultado foi um freio no crescimento mundial.

2015 - Crise Fiscal - as taxas de consumo caíam e o exterior não colaborava. O corte de gastos não mostrou eficácia para atingir a meta de superávit primário e gerou uma queda de 3,8%.

2020 - Crise da Pandemia - com a queda do Produto Interno Bruto - PIB de 9,7% no segundo trimestre do ano de 2020, número superior ao consenso de analistas consultados pela "Bloomberg", de 9,2%, instituições financeiras ajustaram suas previsões para a economia do país.

Portanto, essas dificuldades sempre aconteceram e continuarão. O mercado deve estar preparado para essas adversidades e ter sempre uma solução. A educação financeira é fundamental nesse aspecto. Porém, como dito anteriormente, grande parte das organizações não tomam o devido cuidado. Sendo assim, o especialista traz algumas dicas de administração.

- Crie estratégias para maior faturamento;

- Conquiste o saldo de caixa positivo;

- Defina previamente os objetivos a partir da viabilização econômica, pensando no crescimento estruturado da instituição;

- Tenha o controle sobre os recursos financeiros;

- Preserve a qualidade dos produtos e serviços;

- Assegure os pagamentos de seus funcionários e fornecedores;

- Mantenha a integração de seus colaboradores, pois profissionais motivados geram mais produtividade e lucro;

- Possua uma responsabilidade social/ambiental - projetos agregadores de valor à sociedade e ao mundo passam credibilidade à marca.

Quem estava prevenido, conseguiu até tirar coisas boas dessas situações. “Em plena pandemia, pude reformular o modelo de negócios e economizar em até 80% os custos de reformas de novas unidades. Por conta do cenário, vários produtos precisaram diminuir os preços. Nós aproveitamos para melhorar nossa corporação e expandir ainda mais”, finaliza Silva. A partir dessa eficiente coordenação, teve como base estabelecer custos para projetos interessantes, investir em tecnologia, novas estruturas e em pessoas. É um processo para obter retornos igualitários ou de lucro no balanço patrimonial.

Sendo assim, faça um planejamento do seu montante e supere os possíveis obstáculos do futuro. Dessa forma, seu empreendimento só tem a crescer. Se deseja contratar talentos para o seu time, conte com o Nube nessa tarefa!

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe