O financeiro é o combustível para toda empresa, mas, desde 2020, muitos segmentos foram impactados pela pandemia. Empresários viram o lucro despencar, enquanto as despesas cresciam na mesma proporção. Após meses com o fluxo de caixa no “vermelho”, as organizações retomaram o fôlego para recomeçar. Diante disso, elas têm buscado a reestruturação dos departamentos e isso passa, em primeiro lugar, pela área de entradas e saídas.
                                                                         
Motivação e perspectiva são essenciais
                                                                         
Para a contadora e especialista em controladoria e finanças, Beatriz Machnick, a dica inicial para novos começos é buscar motivação e perspectiva. “Muitas vezes, quem está recomeçando perde a energia motivadora, aquela responsável por expandir a visão e conduzir ao destino almejado. Aí, é preciso parar e voltar ao foco”, alerta.

Como se superar a cada dia?

A contadora, já nos primeiros seis meses deste ano, conseguiu atingir em sua empresa um valor superior ao faturamento de todo o ano de 2020. Ela acredita ser decisivo o controle emocional em momentos de crise. “Para quem teve perda de clientes e queda de faturamento, o conselho é voltarem a ter perspectiva para o negócio. Busque a estratégia e faça um novo planejamento”, reforça.

Organização é imprescindível

Beatriz exemplifica: em casos de dívidas, empréstimos e parcelamentos, o empresário precisará colocar tudo “no papel”. “Faça uma linha do tempo e desenhe ali uma previsão de quando terminará de pagar as contas. Isso é bom para visualizar e traz esperança”, acrescenta.

Gestão do futuro: se atente às tendências!

Esse critério não é importante apenas no contexto corporativo. Larissa Campos, estudante de engenharia, conta ser bem regrada quanto a seus ganhos e gastos. “Eu anoto tudo, estipulo metas de poupar, limito o quanto posso dispor para diversão e lazer, bem como com contas essenciais e, assim, consigo seguir com mais tranquilidade”, conta. 

Um passo de cada vez

Reconhecer qual é a porcentagem representativa do endividamento em relação ao faturamento também é vital. Assim, se o parcelamento equivale a 20 ou 30% da renda obtida na organização, então, é preciso saber o quanto é necessário vender para cobrir o passivo.

A importância da gestão humanizada e sustentável

Outra orientação da especialista é dar um passo de cada vez. “Visualize o ponto de equilíbrio – o mínimo necessário de se faturar para cobrir os seus custos e despesas. Entenda a sustentabilidade para começar a projetar a receita e tome cuidado, pois é possível aumentar o faturamento e não crescer em lucratividade”, sinaliza.

Networking pode ajudar

Uma boa rede de contatos e a busca por especialistas na área de finanças ou no seu ramo de atuação também podem ampliar a visão eventualmente conturbada por causa dos momentos difíceis. “Profissionais externos e terceirizados trazem um conhecimento técnico relevante e imparcial ao negócio. Essas pessoas também darão um suporte emocional e psicológico imprescindível para recomeçar com novo fôlego”, complementa Beatriz.

O networking não pode parar!

Ela ainda acrescenta como o empreendimento em busca de reestruturação deve ter, no mínimo, relatórios de fluxo de caixa – ali estarão as previsões de entrada e saída, controle de capital de giro e apuração de lucro. É por onde o empresário saberá se realmente voltou a ter bons resultados.

Gostou? Veja dicas para enfrentar o período de crise!

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe