O isolamento social tem impactado todas as áreas da vida mundialmente e com o trabalho não seria diferente. Nesse sentido, as organizações precisaram se adaptar e alterar os hábitos internos para sobreviver a esse tempo. Em 2021, seguimos nessa luta.

A valorização das pessoas deve começar de dentro para fora

Dentre as principais mudanças, a mais necessária foi a busca dos líderes por estratégias para manter a equipe engajada e o desempenho das atividades. Segundo o especialista em liderança, Ram Charan, de Dallas no Texas, quem deseja ser um bom gestor precisa dedicar 40% do seu tempo ao time.

Algumas empresas tiveram de aprender métodos para melhorar essa relação durante o dia a dia mesmo com uma tela os separando. Para o sócio-fundador da VIK, Pedro Reis, de Belo Horizonte (MG), as companhias começaram a implementar medidas pensando no bem-estar do seu colaborador. “Executar formas de levar a saúde para a rotina das pessoas não é fácil, mas quando realizados com maestria, gera muito resultado e impacta diretamente na presença e engajamento dos envolvidos. Quando elas estão 100%, ficam mais ágeis para enfrentar os desafios do mercado e ajudam as corporações a se reerguerem. Além disso, saber da preocupação do dirigente eleva a produtividade dos funcionários, trazendo mais resultados”, explica.

Já para o CEO do Dialog.ci, André Franco, um dos principais segredos para fortalecer a relação entre os dois lados é dar valor à opinião do público interno. “Quando você escuta o time, cria-se um espaço de troca no qual eles vão se sentir confortáveis em compartilhar e se comprometer. Todavia, para ouví-los é necessário ter uma comunicação acessível”, defende.

Pensando nisso, os especialistas elencaram os principais pontos usados pelas organizações para motivar o staff. Veja:

1 - Alinhamento de propósito entre empresa e colaborador: um dos pontos mais importantes é se sentir parte da entidade, alinhando o propósito e cultura da marca com os seus valores profissionais e pessoais. “Esse posicionamento ajuda na disciplina com as atividades, autoestima e produtividade. Isso evita grande parte das dificuldades enfrentadas pelas organizações referentes às pessoas e se tornou ainda mais determinante em meio a instabilidade frente ao Covid-19”, analisa Reis.

2 - Construção de marca junto aos internos: para conquistar resultados com seus clientes, é importante existir uma construção de marca antes, dentro da organização. “Quanto mais engajado, capacitado e unido com a corporação o profissional estiver, mais ele vai se sentir apto a crescer em um ambiente saudável e conquistar consumidores fiéis. Além disso, a maneira como a instituição decide tratar o seu contratado também pode impactar diretamente na marca, criando até mesmo uma visão positiva ou negativa com o público”, explica Franco.

Por isso, lembre-se: “comunicar por comunicar” não leva a nada. Só vai desperdiçar tempo e recursos. Portanto, para expandir a cultura organizacional é necessário voltar o olhar aos pilares do empreendimento com humanização. Ou seja, promover o diálogo com o público interno. Dessa forma, o negócio entenderá como dar suporte aos trabalhadores independentemente das circunstâncias. É assim o funcionamento de companhias dirigidas por valores, “aquelas mais preparadas para responderem por suas ações, por causarem impacto positivo na sociedade e por terem efeitos sustentáveis”, analisa a consultora organizacional, Léia Wessling.

3 - Cuidados com a saúde: essa é uma das partes essenciais quando se trata da relação entre empregador e empregado. Isso porque quem cuida da saúde física e mental, tem melhor autoestima, mais disposição no serviço e para novos desafios.

4 - Adoção da transformação digital: a pandemia representou uma passagem forçada para o digital. “Do ponto de vista estratégico, todas as soluções inovadoras tecnológicas, como o Zoom e outras ferramentas on-line, foram responsáveis por manter muitos empreendimentos funcionando. Assim, o setor de Recursos Humanos precisou se modernizar para atingir o grupo fora do espaço físico”, finaliza Franco.

Portanto, estruturas engessadas em modelos de gestão e controle não têm mais espaço no mercado. No ‘novo normal’, os cooperadores necessitam de orientações a resultados e não a horários. Ou seja, a humanização não pode e nem deve ser deixada de lado.

Fique atento e acompanhe nosso blog e as redes sociais, pois publicamos conteúdos diariamente e temos opiniões de diferentes especialistas. Vamos juntos! Como está o RH da sua empresa?

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe