Com o avanço da tecnologia, a comunicação se tornou ainda mais personalizada, sendo capaz de conectar os consumidores às marcas de forma mais pessoal. Atualmente, muito se fala da qualidade da experiência - seja do usuário, por meio de um site ou app, do colaborador, ou mesmo do cliente final. Essa preocupação faz parte do seu negócio? Então, continue lendo e saiba mais!

As mudanças devem vir de dentro para fora!

Nesse sentido, para impactar positivamente o público deve existir uma construção de ideais institucionais bem pensados, com entendimento profundo da persona e refletindo um propósito verdadeiro. Contudo, é comum empresas pensarem apenas no comprador direto e acabarem esquecendo o próprio cooperador. “É importante construir toda essa cultura e intenção de marca internamente primeiro. Ou seja, trabalhar isso para a empresa, em geral, enxergar e estar imersa ao seu objetivo e a sua razão de existir”, analisa o CEO do Dialog.ci, André Franco.

Por isso, o líder elencou pontos relevantes para essa concepção junto ao staff. Veja:

Experiência do colaborador

O conceito de Employee Experience (EX) é bem semelhante ao Customer Experience (CX), experiência do cliente. Logo, é a soma de todas as interações e a conexão construída pelo profissional. Isso significa desenvolver ações de promoção do bem-estar e o crescimento do time. Como consequência, há uma melhora gradativa do clima organizacional, fortalecimento da cultura, funcionários mais engajados e produtivos, além da redução da rotatividade e aumento na atração e retenção de talentos.

Relação entre construção de marca e employee experience

Apesar desse relacionamento com os públicos interno e externo serem tratados em áreas diferentes, elas se convergem quando falamos de constituição de marca. Afinal, quanto mais engajado, capacitado e alinhado com a corporação o contratado estiver, mais ele vai se sentir apto a crescer e conquistar clientes fiéis. Ou até mesmo trazer inovações e otimizar ainda mais o CX.

Assim, a pandemia também trouxe uma nova visão relacionada à forma como as companhias lidam com suas equipes. Segundo uma pesquisa da PSB, para 93% dos consumidores se uma entidade faz a coisa certa para seus empregados durante a crise, ela provavelmente conquistará sua preferência. Isso é, a maneira como os gestores decidem tratar o seu trabalhador também pode impactar diretamente no desenvolvimento de uma visão positiva ou negativa.

Como impactar os clientes investindo no employee experience

Tudo deve começar de dentro para fora. Afinal, o time é o porta-voz da corporação e o faz continuar existindo. Contudo, antes mesmo de começar a implementar novas ações e iniciativas, é fundamental ouví-los e mapear suas necessidades e fragilidades.

Para fazer as áreas convergirem, una forças entre o departamento de marketing e o de Recursos Humanos (RH) para construírem juntos esse plano. “Isso pode ser fundamental para criar essa afinidade entre as duas partes, tornando a vivência positiva e o contratado um novo defensor da companhia”, finaliza Franco.

Para o head of people science da Pulses, Renato Navas, a pandemia acabou potencializando exercitar a presença e consideração. “Nesse contexto plural, muitas vezes temos de tomar decisões nos baseando na média. No entanto, não podemos esquecer: as organizações são feitas de pessoas e cada uma tem suas particularidades e formas de lidar com as situações. Por isso, é interessante escutar de forma global, mas agir considerando o local. Assim, ajustes e adaptações podem ser feito para privilegiar cada grupo”, comenta.

Como está a employee experience na sua empresa?

 

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe