Muitos empresários estão de cabelo em pé com o momento atual, buscando alternativas para seus negócios sobreviverem com a queda movimentação e vendas em função da crise gerada pelo coronavírus. Um fato é certo: se os empreendimentos não se estruturarem imediatamente, terão mais chances de fecharem as portas.

"Ter planejamento e estratégias sempre é um diferencial para as companhias, mas isso se evidencia ainda mais em períodos de crise como o atual. Assim, se a organização já projetou possíveis cenários e estratégias, já deu um bom passo para a sobrevivência. Caso ainda não tenha feito, ainda é tempo", avalia o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos, especialista em gestão.

Esse é um desafio na entidade onde Carlos Saraiva estagia, em Ribeirão Preto. “Atuo na área de gestão de pessoas, então dialogamos diretamente com a diretoria para saber como proceder nessa circunstância”, comenta. Para ele, isso tem sido um aprendizado importante para a carreira. “Saber gerenciar conflitos e crises é crucial para qualquer profissional”, garante.

Para superar esse período, Domingos elaborou nove passos capazes de auxiliar na jornada. Acompanhe:

1. Planejar cenários

Desenvolver um planejamento com base nas perspectivas de faturamento para os próximos seis meses, buscando no mínimo três possibilidades para adequação da corporação. Desses três, se deve escolher o mais provável e seguir com as ações, medindo a cada dia e semana se está se realizando, tomando decisões a partir dessa medição. Se organizar nesse momento é fundamental para diminuir erros ou a emoção na tomada de decisão. Escolher direções sobre pressão já é um erro a ser corrigido.

2. Adequar processo produtivo e comercial

Com base nas possibilidades levantadas, promova o volume de produção para cada projeção (horas necessárias de mão de obra, matérias primas, mercadorias, etc.). Isso vale tanto para empresas industriais e comerciais, quanto para prestadoras de serviços.

3. Ajuste de cursos e despesas para a realidade vivida

Evidentemente, os gastos deverão ser revistos, mas isso deve ser feito de forma inteligente. Muitos contratos preveem multas ou prazos de aviso prévio, outros são essenciais ao processo produtivo. Deve-se entender quem são os fornecedores estratégicos, propor uma flexibilização momentânea. Em vez de demitir funcionários sumariamente, entendido o volume de produção ou comercialização, pode-se alternativamente negociar a jornada com redução de salário momentâneo, cancelar novas vagas ou não prorrogar contratos determinados.

4. Formalizações a empregados e fornecedores

Definidas as ações a serem tomadas, é fundamental a formalização das negociações feitas. Isso vale para uma repactuação de jornada dos colaboradores, passando por aditamento de contratos e rescisões contratuais. É fundamental tudo estar bem detalhado para evitar processos futuros, reivindicando diferenças deixadas de serem pagas.

5. Preparar-se para mudança constante

Como diz o provérbio popular: "é preciso estar com um olho no peixe e outro no gato". Não dá para saber como serão, com certeza, os próximos meses, mas é possível medir diariamente para onde estamos indo e as metas definidas.

6. Controle

É fundamental ter controle: da operação, da parte dos sentimentos e de todo o resto. É fato: com inteligência emocional, a leitura do momento fica mais fácil, permitindo repensar os eixos a serem adotados a cada instante.

Entenda mais sobre a relevância das competências comportamentais para superar obstáculos. Conte sempre conosco!

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe