Desde a Revolução Industrial, o perfil das empresas e, consequentemente, do colaborador, vem evoluindo. Diversas transformações da sociedade, aliadas à globalização e às novas tecnologias, mudaram também a concepção de trabalho e a relação entre empregado e empregador. Por isso, especialistas analisam o perfil do novo profissional.

Segundo Viviane Gonzalez, diretora da Business Partners Consulting Interior São Paulo, as exigências primárias ainda são fundamentais. Algumas são a formação acadêmica, especialização, pós-graduação ou MBA, domínio de inglês e, preferencialmente, conhecimento de uma terceira língua além de experiência na área de atuação. 

Porém, o diferencial está nas qualidades e competências pessoais. Em um mercado muito dinâmico, o procurado é alguém com pensamento estratégico, o qual enxergue a organização em toda a sua amplitude e veja as soluções, além dos meios para implantá-las. “São as características do candidato as quais o levam na direção certa, não apenas o conhecimento específico ou a graduação”, afirma Gonzalez. 

Na visão da diretora, essas qualidades chamam mais a atenção: iniciativa, criatividade, liderança, aprendizagem contínua, boa comunicação, habilidade para atuar em equipe e capacidade de planejamento da carreira. “O trabalhador moderno é uma pessoa bem resolvida, com alto grau de motivação e potencial para chegar onde deseja. Ele não precisa de estímulos, está em constante aprendizado”, define. 

A mudança nas empresas

De acordo com Beth Johann, professora da IBE Conveniada FGV, com filial em Campinas (SP), as mudanças no perfil do contratado também imprimiram uma nova postura às corporações e seus administradores. “Antes, o executivo mandava como queria. Hoje, a situação mudou. Ele deve ser um motivador, apresentar ideias, propor soluções, saber ouvir, contornar e negociar. Ele deve mais flexível e conhecer além de si, o chefe autoritário não tem mais espaço. Essa é uma realidade na qual as companhias precisam se enquadrar”, afirma Johann. Ela destaca ainda: o gestor não precisa ser amigo, mas deve ser respeitoso e demonstrar confiança.

De acordo com a professora e especialista em RH, a ampliação das chances de qualificação levam o empregado a exigir mais. “O nível de conhecimento adquiriu uma nova relação. O contratado passa a ser mais exigente e tolerar menos problemas. Os empreendimentos precisam ter consciência desse novo perfil e também mudar”, aponta Johann.

O papel do RH

É preciso ter um RH estratégico com uma política de retenção de talentos, e isso abrange diversas ações como: oferta de cursos para o aperfeiçoamento dos funcionários, mais oportunidades, melhores salários e benefícios. “Ninguém sai de uma organização com um bom ambiente, uma chefia adequada e um bom salário. O funcionário só sai se algo não estiver funcionando bem”, completa Johann.

Por isso, fique de olho nos aspectos necessários ao colaborador moderno:

  • Formação graduação, pós, MBA, fluência em mais de dois idiomas
  • Experiência na área desejada
  • Pensamento estratégico
  • Iniciativa
  • Criatividade
  • Liderança
  • Aprendizagem contínua
  • Boa comunicação
  • Habilidade para trabalhar em equipe
  • Capacidade de planejamento da carreira

Aproveite e faça nossos cursos gratuitos para se destacar!

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Instagram e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe