A renovação tecnológica já faz parte do dia a dia de vários profissionais e entidades no mercado profissional. Portanto, o futuro se relaciona diretamente com essa tendência e, para garantir a assertividade da implantação desses recursos, é essencial seguir as orientações especializadas.

Várias possibilidades

Para Marcelo Loiacono, diretor de marketing e novos negócios da XGen, para fazer parte da revolução, não existe apenas um caminho, nem uma metodologia mais assertiva. “As estratégias podem variar de uma corporação para outra e, ainda dentro da mesma companhia, planos distintos serão necessários de acordo com amplitude, segmentação e produtos envolvidos”, explica.

Disciplina

Ainda segundo o especialista, as competências técnicas, métodos e o processo estruturado são disciplinas de extrema importância no movimento rumo à mudança. “No entanto, esses tópicos podem ceder lugar para aspectos menos tangíveis, como foco, atitude, engajamento e liderança”, comenta.

Pensando em maneiras de alavancar os resultados obtidos em qualquer projeto de transformação, Loiacono listou nove dicas imprescindíveis. Acompanhe:        

1 - Um pequeno plano ou um case com enfoque digital, poderá iniciar o convencimento e envolvimento tão desejado na instituição. Seu desafio é começar com visão clara de início, meio e fim para seu projeto. Estruture seus resultados dando enfoque no antes e depois. Seu alvo é conseguir sinal verde para próxima etapa ou ampliação do escopo.

2 - Não necessariamente você precisará iniciar suas ideias com o comando da alta direção ou com algo estratégico de alta complexidade e envergadura.
                
3 - A atenção ao processo atual de relacionamento com clientes é fundamental. Não basta apenas um olhar para a tecnologia. O contact center pode ser um vital centro de informações e avaliação do nível de maturidade de seu empreendimento para iniciativas de digitalizar.
                
4 - Não há uma regra sobre qual área ou quem deve iniciar o processo, mas definitivamente não se trata de algo exclusivamente do nicho de tecnologia.

5 - O digital pode, sim, estar sob a responsabilidade de um head, de um setor, mas todos os movimentos, ações, iniciativas e debates são transversais e é fundamental a capacidade de relacionamento e envolvimento de diversos setores. Um importante passo para o engajamento da organização.
                            
6 - Novos talentos e mindsets, indivíduos especialistas e com visão inovadora serão cruciais na composição dos times.
                
7 - Serão necessários os gestores corajosos, disciplinados com o propósito para transbordar atitude e habilidade para motivação de todos.
                
8 - As lideranças executivas devem abrir um espaço recorrente na agenda para ouvir, com genuíno interesse, os colaboradores na linha de frente, conversando com dezenas de clientes todos os dias. Promova um ambiente colaborativo.
                
9 - Na maioria dos casos, existe uma cultura do “Fail First”, tolerância ao erro como oportunidade de aprendizado. Não se deve ficar preso aos equívocos, mas o deslize deve ser permitido.

Para o master coach, Rodrigo Pontes, quem coordena precisa estar atento aos cenários e aproveitar o momento para investir em todos os caminhos para melhorar o rendimento coletivo. “As tendências não servem apenas para você ler sobre elas no jornal e invejar companhias à frente de seu tempo. Todos podem começar de alguma forma a montar um novo cenário para suas staffs”, comenta.

Portanto, siga as orientações e conte sempre com o Nube!

Estamos no Linkedin com mais dicas e matérias focadas para gestores.

Se você tiver dúvidas sobre a contratação de estagiários e aprendizes, solicite um contato da nossa equipe.

Interessado em aprender mais? O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de gestores, estagiários e aprendizes.

Compartilhe