O avanço da tecnologia e dos meios de comunicação resultou em novos caminhos para transmitir e consumir histórias. Afinal, o público tornou-se seletivo em relação aos conteúdos por conta de um contato diário e excessivo com diversas informações. Na prática, 79% das pessoas não se aprofundam nos dados e isso faz do storytelling um diferencial no mercado para as empresas.

O termo indica uma narrativa sequencial com recursos audiovisuais, os quais se apropriam de drama, ação ou comédia para despertar as emoções do público. Contudo, é possível ir além e enriquecê-los com conceitos de visual thinking. “Ao trazer elementos visuais como ilustrações, jogos e gráficos, o poder da narrativa é intensificado”, afirma Renato Gangoni, CEO da Spin Design, no Rio de Janeiro.

Em levantamentos recentes, a companhia americana 3M identificou o fato desses conteúdos terem um processamento 60 mil vezes mais rápido pelo cérebro humano. Já a Cisco Systems revelou: 70% do tráfego mundial em dados móveis, até 2020, será de vídeos. Em contrapartida, a Microsoft aponta para o tempo de atenção do usuário ter reduzido para oito segundos.

Diante dessa realidade, Gangoni desenvolveu seis dicas. Veja abaixo:

- Apresente pessoas: não conte a história do negócio, mas sim dos indivíduos por trás dele.

- Revele: uma escolha assertiva é mostrar ao cliente coisas, as quais a companhia tende a esconder diariamente. Ou seja, mostre os bastidores para criar empatia.

- Tenha objetividade: excessos costumam não ser bem-vindos. É necessário manter o foco, porque muitos detalhes resultam na perda de atenção.

- Seja amigo das redes sociais: elas são um meio de aumentar a visibilidade da marca. Então, compartilhe nessas plataformas todas as narrativas da organização e disponibilize imagens antigas.

- Incentive a integração sensorial: dê prioridade para elementos com diferentes texturas, brinque com as perspectivas da foto ao realçar detalhes micro e macro e gere o interesse do público com um recorte encantador.

- Defina a melhor plataforma: por exemplo, em casos nos quais muitas informações precisam ser transmitidas, a saída são os modelos mentais visuais (infográficos). Ao estruturar com clareza os dados, esses recursos facilitam a assimilação.

Leonardo Gomes é Gerente de Seleção da Fundação Estudar e, segundo ele, o recurso pode ser utilizado até mesmo por candidatos. “Construir um storytelling não é começar com “era uma vez”, ou “vou falar a minha história”. Deve ser incluído no discurso de maneira natural e trazer alguns pontos essenciais, entre eles momentos nos quais você ficou satisfeito em sua carreira, sua maneira de solucionar problemas, motivação e resposta a desafios”, explica.

Gostou dos conselhos? Coloque-os em prática e destaque-se!

Seja nosso seguidor no Twitter (@nubevagas) e veja notícias diárias de ações, vagas de estágio e aprendizagem, palestras e muito mais. Assista nossos vídeos de dicas no YouTube e participe da nossa página no Facebook. Agora estamos também no Google+Instagram e no Linkedin. Esperamos você em nossas redes sociais!

O Nube também oferece cursos on-line voltados para a qualificação profissional de estagiários e aprendizes. Basta acessar o link www.nube.com.br/ead. Todos os serviços para o estudante são gratuitos. Já instalou nosso aplicativo "Nube Vagas" em seu celular? Com ele você será notificado a cada nova oportunidade. Disponível na Apple Store e Play Store.

Compartilhe