De acordo com dados do Inep/MEC, de 2002 a 2015, o número de alunos no nível superior passou de 3,5 para 8 milhões. O grande aumento reflete o esforço de muitos brasileiros em galgar melhores condições. Afinal, quem possui graduação completa tem uma taxa de desemprego de 6,4%, o índice sobe para 21,8% quando se refere a quem não terminou o ensino médio. Possuir um diploma traz mais oportunidades e chances em um mercado tão competitivo, mas a remuneração estaria compatível com o esperado? O Nube – Núcleo Brasileiro de Estágios fez uma pesquisa com jovens de 15 a 26 anos em todo o Brasil, com a seguinte pergunta: Como você classifica o salário inicial de um jovem depois de graduado? O resultado apontou uma percepção equilibrada!

O estudo ocorreu entre 18 e 29 de setembro e contou com a participação de 26.923 respondentes. Para 3,54% ou 953 pessoas, o valor é ótimo, superior à maioria da população. Outros 36,39% (9.798) disseram ser bom, pois ainda há muito para aprender. Segundo Nicole Crespo, analista de treinamento do Nube, além de maturidade, a avaliação indica uma característica da Geração Y e até da Z. “Eles não têm o foco apenas no pagamento, mas em reconhecimento e outras vantagens, como  flexibilidade de horário, ambientes descontraídos, possibilidade de crescimento e benefícios”, avalia.

Na opinião de 26,75% (7.202), os honorários são suficientes, afinal, o indivíduo acabou de se formar. Para a especialista, a progressão de cargo e, consequentemente de salário, vem por meio da experiência, vivência na área e da qualificação técnica. “O importante é sempre visar o aprimoramento e buscar crescer. Por isso, a dica é aproveitar para fazer cursos livres e gratuitos e investir sempre nos estudos”, indica.

Na contramão, uma parcela significativa de 33,32% (8.970) disse ser pouco, por todo o esforço. Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) houve uma queda na remuneração de 3% para os adultos e mais velhos e 3,6% para os jovens. “Logo, o cenário atual é de retração para todos. Então, é imprescindível a expectativa estar de acordo com a realidade”, explica Nicole.

Para quem deseja maiores ordenados, o melhor passo para o sucesso é dedicação e comprometimento. “Estar aberto para receber feedback, trabalhar os pontos de melhoria e investir nos pontos fortes é o segredo para uma boa trajetória profissional”, finaliza.

Serviço: pesquisa revela satisfação dos jovens com os salários de recém-formados
Fonte: Nicole Crespo, analista de treinamento do Nube.

Sobre o Nube
Desde 1998 no mercado, o Nube oferece vagas de estágio e aprendizagem em todo o país. Possui mais de 7.500 empresas clientes, 14 mil instituições de ensino conveniadas no Brasil e já colocou mais de 750 mil pessoas no mercado de trabalho. Também administra toda a parte legal e realiza o acompanhamento do estagiário e aprendiz por meio de relatórios de atividades.
 
Anualmente, são realizadas 11 milhões de ligações, enviados 3,2 milhões de SMS e encaminhados 750 mil candidatos. O banco de dados conta com 4,5 milhões de jovens cadastrados e todos podem concorrer às milhares de oportunidades oferecidas mensalmente Para facilitar a vida dos cadastrados, foi desenvolvido um aplicativo no Facebook para publicação das vagas.
 
O Nube também está presente nas principais redes sociais Twitter, Google+, Linkedin e Youtube. Com a TV Nube, oferece conteúdos voltados à empregabilidade, dicas de processos seletivos, currículos, formação profissional, entre outros. O cadastro é gratuito e pode ser feito no site www.nube.com.br.

Compartilhe